Do inferno ao céu

Tinga em dois momentos: do pênalti não marcado ao gol do título da Libertadores

Jogador foi fundamental nas conquistas de dois dos maiores troféus do Inter, em 2006 e 2010

Atualizada em 17/05/2012 | 21h2817/05/2012 | 18h05
Tinga em dois momentos: do pênalti não marcado ao gol do título da Libertadores Valdir Friolin/Agencia RBS
Aos 20 minutos do segundo tempo, Tinga marca, de cabeça, o gol que deu o título da Libertadores 2006 ao Inter Foto: Valdir Friolin / Agencia RBS

Se há um jogador que pode — e deve — ser conceituado como símbolo das conquistas das duas Libertadores que o Inter trouxe para Porto Alegre, em 2006 e em 2010, este jogador é Tinga. Fernandão e D'Alessandro, seus parceiros na primeira e na segunda, respectivamente, também entram na lista. Mas se a primeira vez é sempre a que mais marca, Tinga figura como o responsável pelo gol que garantiu o título de 2006 diante de um São Paulo destemido, mas sem força suficiente para superar um time determinado. Aos 20 minutos da etapa final, Tinga estava no céu.


— A partir daquela noite, no outro dia, o Inter já era outro. Aquele gol simboliza minha passagem pelo Inter. Não é ter ganho apenas, mas a mudança no clube. Para haver uma verdadeira mudança em um clube ele tem de ganhar uma Libertadores. Vocês, hoje, estão sentados em um belo sofazinho por causa daquele gol — brincou o meia, ao comentar sobre as acomodações dos jornalistas na sala de imprensa do clube, nesta quinta-feira.

Leia mais:
Tinga deixa o Inter para jogar no Cruzeiro


Segundos depois, foi ao inferno. Na comemoração, o volante acabou expulso e deixou o Inter com 10. Se sentiu injustiçado tanto quanto alguns meses antes, quando havia sofrido pênalti do goleiro Fábio Costa, do Corinthians, em São Paulo, pelo Brasileirão. Na ocasião, ele também recebeu o segundo amarelo, dessa vez por simulação, do então árbitro Márcio Rezende de Freitas.

Relembre os dois momentos mais marcantes de Tinga no Inter:

2005: Pênalti em jogo contra o Corinthians


Tinga sofre pênalti, não marcado, de Fábio Costa
Foto: Mauro Vieira/AgênciaRBS

Em um Brasileirão marcado por denúncias de corrupção na arbitragem e com 11 jogos anulados pelo STJD, uma imagem ficou na história daquele ano. Diante do Corinthians, Tinga invadiu a área e foi derrubado pelo goleiro Fábio Costa. Pênalti claro e não marcado pelo juiz Márcio Rezende de Freitas, que ainda expulsou o jogador do Inter por simulação. Esta foto ilustrou os principais jornais do país no dia seguinte. O jogo foi 1 a 1 e o Inter perdeu o título para o Corinthians por três pontos.

2006: O gol do título da primeira Libertadores

Seu último jogo na primeira passagem pelo Inter foi justamente a final contra o São Paulo. O gol do título foi dele: desviou de cabeça, no interior da pequena área, o cruzamento de Fernandão, fazendo 2 a 1. Tirou a camisa para comemorar e foi expulso. O São Paulo chegou a empatar, mas o 2 a 2 foi suficiente, já que o Inter havia vencido por 2 a 1 no Morumbi. No dia seguinte à conquista, embarcou para a Alemanha e se apresentou ao Borussia Dortmund, seu novo clube.

FICHA TÉCNICA:

Nome: Paulo César Fonseca do Nascimento (Tinga)

Idade: 34 anos

1m70cm de altura

65 quilos

Camisa 7

Seleção:
Quatro partidas
Três vitórias
Uma derrota

Inter
160 partidas
20 gols marcados

Títulos pelo Inter
Campeonato Gaúcho: 2005, 2011 e 2012
Copa Libertadores: 2006 e 2010
Recopa: 2011

Clubes
1997-1999: Grêmio
1999-2000: Kawasaki Frontale (Japão)
2000: Botafogo
2001-2003: Grêmio
2004: Sporting (Portugal)
2005-2006: Inter
2006-2010: Borussia Dortmund (Alemanha)
2010-2012: Inter
2012: Cruzeiro



VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.