Do outro lado do mundo

Inter aposta em parceria com clube chinês para dobrar faturamento e bancar futebol sem vender jogadores

Projeto da direção para ter time na primeira divisão da Liga Chinesa deve entrar em execução nos próximos meses

15/06/2012 | 07h04
Inter aposta em parceria com clube chinês para dobrar faturamento e bancar futebol sem vender jogadores Gonza Rodriguez,Arte ZH/Agencia RBS
Com expansão, clube gaúcho espera ter um time na primeira divisão da Liga Chinesa Foto: Gonza Rodriguez,Arte ZH / Agencia RBS

O Inter prepara as malas para mudar-se para o outro lado do mundo. Literalmente. Lá na China, trocaria até o nome: Brasil Internacional Clube, como os chineses já estão chamando o clube gaúcho.

Dentro do plano de expansão mundial do clube, a direção sonha em ter um Inter no campeonato chinês a partir de 2013. Com o nome, o escudo, o uniforme vermelho da Nike, e até algum patrocinador com poderio internacional, como a Tramontina — já parceira do clube e com negócios no país. O projeto será colocado em execução nos próximos meses.

Os homens do marketing, Jorge Avancini e Adauri Silveira, são os responsáveis pela iniciativa que, se der resultado, pode dobrar o faturamento em uma temporada — lucro que, hoje, é de R$ 41 milhões ao ano.

— Queremos ter um Inter na primeira divisão da China. A Nike é a patrocinadora da Liga e já nos abriu as portas para investir — afirma Jorge Avancini.

A nova rica China permite que seus clubes joguem com outras camisas, como franquias. O plano é que os times que firmarem parcerias com os estrangeiros sejam conhecidos pelo nome da cidade onde estão e do novo clube. Por exemplo: o Beijing Guoan, de Pequim, passaria a chamar-se Inter Beijing. E utilizaria a camisa da equipe gaúcha.

Na prática, o Inter precisaria ceder marca e material esportivo — o que seria bancado pela Nike —, e lucraria com a venda de seus artigos. Além disso, o clube enviaria médicos e fisioterapeutas ao país asiático.

— Se tivermos sucesso no mercado chinês, já poderemos bancar todo o futebol do clube em Porto Alegre, sem vender nossos jogadores — aposta Jorge Avancini.

Ao que tudo indica, o vermelho do Inter casará bem com o vermelho da bandeira chinesa.

Corinthians aposta, mas não avança

O projeto do Corinthians rumo à China deveria ser o mais adiantado dos clubes brasileiros. A contratação do meia chinês Chen Zhi-Zhao, 24 anos, por empréstimo de dois anos junto ao Nanchang Hengyuan, foi o primeiro passo para essa caminhada ao Oriente.

No planejamento do clube paulista, também vinculado à venda de produtos da marca com a Nike, está o ingresso no mercado chinês através de um clube da segunda divisão local, o que acabou protelado, e que deverá ser colocado em prática até o final do ano. Os chineses também deverão investir na base do Corinthians, com intercâmbio de jogadores, e os paulistas instalarão escolinhas na Ásia. Os amistosos programados foram adiados. Na prática, o projeto paulista pouco evoluiu.


 

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.