Vai voltar?

Taison admite desejo de voltar ao Brasil: "Tem de ver se o Inter me quer"

Curtindo férias com a família em Pelotas, jogador daria prioridade ao clube em eventual retorno

01/06/2012 | 17h27
Taison admite desejo de voltar ao Brasil: "Tem de ver se o Inter me quer" Andreas Hillergren/AP
"Eu acho que não jogaria no Grêmio, não. O Inter me deu tudo, conta muito a questão do respeito ao Inter", diz Taison sobre retorno ao Brasil Foto: Andreas Hillergren / AP

Após Nilmar e Luiz Adriano fazerem juras de amor ao Inter e admitirem o desejo de retornar ao Beira-Rio, outro ídolo dos recentes títulos colorados revelou a vontade de voltar a vestir a camisa vermelha. Curtindo férias com a família em Pelotas, o atacante Taison estaria disposto a convencer os ucranianos do Metalist por sua liberação. Disse mais: quando viajar à Ucrânia na segunda quinzena de junho para iniciar a pré-temporada, levará o empresário Alcione Dornelles para inicar a negociação da volta ao Brasil. Destino prioritário: Inter.

— Ainda tem de ver se o Inter me quer, claro. Mas minha prioridade, no Brasil, seria o Inter. É difícil a negociação, mas o objetivo é conversar para ver o que é possível fazer. Minha vontade seria voltar, claro, para ser mais visto pelo Mano Menezes, ficar com a minha família, com minha filha — disse o camisa 77 do Metalist.

Taison sabe que para voltar ao Inter, pelos investimentos que o clube tem feito, um empréstimo seria a melhor maneira de trocar a camisa amarela dos ucranianos pela vermelha dos colorados. A multa rescisória é alta — ele não revelou o valor — e, ao que parece, os europeus não estariam dispostos a qualquer tipo de empréstimo. Para Taison reforçar o time na busca pelo tetracampeonato brasileiro, o Inter teria de comprá-lo.

— Eu pedi para voltar, renovar lá e eles me emprestariam para voltar um tempo, mas ele querem vender. Tu ve pelo negócio do Giuliano, que estava tudo certo para ele voltar e melou o negócio. Para a negociação ser fácil, só se eles estiverem em um dia muito bom — resumiu Taison, citando a negociação entre Grêmio e o ex-colorado Giuliano, no início deste ano.

zhEsportes — O que pesaria para você voltar? Você não está bem lá?
Taison —
Estou bem, sim. Agora está tudo tranquilo, mas no começo foi difícil. Às vezes, sinto saudade do Brasil, mas estou crescendo como profissional, como pessoa. Minha mãe fica lá um mês, dois meses, mas a grande parte do tempo fico sozinho.

zhEsportes — A conta telefônica lá em cima, então...
Taison —
Telefone, skype, computador. Mas eu peço para minha não entrar para chorar. Ela não pode me ver com uma cara triste, porque é difícil para ela. Até agora, que estou quase indo embora, ela fica sentada no cantinho, quieta.

zhEsportes — E pra voltar? Falou com o Fernandão, Giovanni Luigi?
Taison —
Falei com eles no final da Taça Farroupilha, no Gre-Nal. Eles me perguntaram se eu queria voltar, quando ia voltar. Mas a multa rescisória é muito alta. Ainda tenho dois anos de contrato.

zhEsportes — Mas a prioridade, caso ocorra a volta, seria o Inter? Grêmio, como o Giuliano, por exemplo, fora de cogitação?
Taison —
Pergunta difícil de responder. Eu acho que não jogaria no Grêmio, não. O Inter me deu tudo, conta muito a questão do respeito ao Inter. Se eu voltasse, seria para o Inter, com certeza.


VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.