Novo comandante

"Estou colocando a cara para bater", diz Fernandão em sua apresentação como técnico do Inter

Depois de retorno como dirigente, ídolo da torcida assume o comando técnico do grupo de jogadores

Atualizada em 20/07/2012 | 21h0020/07/2012 | 18h24
"Estou colocando a cara para bater", diz Fernandão em sua apresentação como técnico do Inter Ricardo Duarte/Agencia RBS
Aos 34 anos, Fernandão começa sua carreira como treinador ao assumir o Inter Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

O confronto do próximo domingo contra o Atlético-GO, às 16h, no Beira-Rio marca o início de uma nova era no Inter. Depois de comandar o time dentro de campo para as conquistas do Mundial e a Libertadores em 2006, Fernandão vai fazer sua estreia no comando técnico da equipe.

Depois da saída de Dorival Júnior, o ex-diretor executivo de futebol do Inter será o responsável por comandar a equipe no restante das 28 rodadas do Brasileirão. Aos 34 anos, Fernandão terá a primeira experiência como treinador contra o Atlético-GO.

Mesmo sem nenhuma experiência trabalhando como técnico, Fernandão sabe que o restrito mercado de treinadores no país acabou favorecendo a aposta da direção colorada em seu nome. Por ter atuado na montagem do grupo, o novo comandante da equipe acredita que sua adaptação à sua nova função será mais rápida.

— Pela questão de você trazer um treinador novo,  com uma maneira de pensar que você quer, acaba demorando um pouco. Foi um pouco por isso o convite. Pela falta de opções de mercado. Não considero isso nenhum demérito. Se houvesse algum nome grande, eles teriam ido nessa direção. Eles apostaram em mim. Estou lisonjeado de ter sido o escolhido para iniciar minha carreira aqui — comemora.

Surpreso com o convite do vice de futebol, Luciano Davi, Fernandão admitiu que não esperava a oportunidade tão cedo. Mesmo com a intenção de anunciar rapidamente um novo nome, o dirigente precisou esperar uma reunião com o ex-jogador.

- Conversei bastante e pedi para tomar a decisão hoje de manhã. Estou colocando a cara para bater – afirmou.

Mesmo com pouco tempo de trabalho até o próximo jogo, e com a vantagem de já ter um conhecimento dos jogadores do clube, Fernandão já definiu como quer ver o Inter atuando.

— É uma grande oportunidade que surge. Não nasci colorado, me tornei colorado. Eu conheço os jogadores e o potencial de grupo. Agora é encarar o desafio. Eu tenho a vantagem de conhecer o futebol do Rio Grande do Sul. Sei como a torcida gosta de assistir o jogo. Sei que gostam que o time se imponha dentro de campo, e que não fique assistindo o adversário jogar. Quero implantar o que acredito sobre futebol, e fazer o time jogar de um jeito mais ofensivo — garantiu.

Ainda sem um auxiliar técnico contratado, Fernandão revelou que o nome de Josué Teixeira foi indicado aos dirigentes. Os dois trabalharam juntos no Goiás, e a direção ainda está tentando fechar o acordo. Enquanto a negociação não está concretizada, o auxiliar de Fernandão será André Doring, que já trabalhava nas categorias de base do clube.

— Tenho que conversar com algumas pessoas. O nome que eu indiquei está no Catar. É o Josué Teixera. O André e uma cara que admiro muito, já é um funcionário do clube. Ter um cara com o conhecimento do André Doring é muito importante. Espero que ele fique muito tempo no clube — afirmou.

Leia mais declarações da primeira entrevista coletiva de Fernandão como técnico do Inter

Treinadores que influenciaram

Sou um admirador do Muricy e do Abel, mas aprendi muito da tática do futebol com Alain Perrin (técnico de Fernandão em sua passagem na França) . Vou trabalhar a equipe jogo a jogo. Tenho que trabalhar de uma maneira que vá ser eficiente para enfrentar o Atlético-GO. Com as opções que tenho, vou tentar fazer uma equipe competitiva para sair de campo uma vitória.

Idade

A idade não importa, mas sim a competência. O André Villas-Boas (técnico do Tottenham) ganhou vários títulos aos 34 anos. A questão de idade não importa, mas sim a capacidade. Eu li bastante e procurei vários amigos. O próprio Dorival deixou de ser dirigente e se tornou treinador no Figueirense.

Bolívar e Moledo

Já conversei com eles. O Bolívar fez grandes jogos na sequência. O Moledo tem uma grande velocidade e imposição física. É um dos grandes zagueiros que vi atuar nesses últimos anos. Ele está 100 % nos meus planos.

Ex-companheiros

Eu fui companheiro do Índio , Bolívar e Renan. Como dirigente, nunca tive nenhum problemas com eles. Sempre coloquei regras e deveres, e isso sempre foi muito bem cumprido. Vou sempre pensar no melhor do Inter.

Nova carreira

Eu imaginava fazer isso lá na frente. Estive durante 20 anos dentro dos gramados. Vou tentar ser coerente na maioria das decisões. A vontade veio quando ele fez o convite, e com a convicção dele dizer que não aceitava não. Eu tinha o sonho e vários cadernos de treinamento. Eu sempre perguntei o porque de fazer cada atividade. Vou tentar passar esse desejo aos jogadores.

D'Alessandro

O D'Alessandro é um competidor. Ele é um cara que se doa, e as vezes ele se passa.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.