Tudo acertado

Edson Ratinho diz que "não existiu confusão" em reunião de jogadores e comissão técnica

Lateral afirmou que encontro foi importante para conversar sobre os rumos do Inter

19/09/2012 | 19h55
Edson Ratinho diz que "não existiu confusão" em reunião de jogadores e comissão técnica André Baibich/ Agência RBS/
Lateral exaltou importância da reunião da terça-feira Foto: André Baibich/ Agência RBS

Um grupo unido e mais forte em busca de seus objetivos. Assim, o lateral Edson Ratinho vê o Inter após a turbulência que tomou conta do clube, com as fortes cobranças públicas feitas por Fernandão e a reunião de mais de duas horas entre comissão técnica e jogadores, na terça-feira. O jogador ressaltou que o encontro foi importante para fazer cobranças e acertar detalhes em busca da recuperação no Brasileirão.

— Qualquer equipe no futebol, se não existir cobrança, não vai a lugar nenhum. Tem que existir cobrança. Foi o momento de ter e foi um momento nosso. Estava faltando isso mesmo. Na reunião, não existiu confusão, existiu solução e conversa para que a gente possa levar isso para dentro de campo. A reunião serviu para nos unir cada vez mais — afirmou Ratinho.

O lateral concordou com as declarações de Fernandão, que afirmou que o primeiro tempo do Inter diante do Sport foi "vergonhoso". Para Ratinho, a sétima colocação no Brasileirão não é condizente com o nível da equipe.

— Eu acho que o Inter é uma das melhores e maiores equipes do Brasil. Estar na sétima colocação não é o lugar do Inter. Temos que estar indignados por essa situação. Às vezes, a gente merece o resultado, mas infelizmente acabamos não conseguindo vencer. Somos o time que mais empatou no campeonato, mas ao mesmo tempo somos o terceiro que menos perdeu. Futebol é complicado, mas é bom porque sempre há uma oportunidade. Temos uma chance domingo e diante de nossa torcida — disse.

— O primeiro tempo foi vergonhoso porque, como o Fernandão frisou, o Inter jogando dentro do Beira-Rio não pode sair perdendo de 2 a 0 para qualquer equipe. Às vezes, o futebol é assim. Quando a gente desceu para o vestiário, sabíamos que não estávamos fazendo o nosso futebol. Cada um entrou no campo com a responsabilidade de mudar para o segundo tempo. Acho que a equipe vai entrar mais forte contra o Bahia — concluiu.

Confira outros trechos da entrevista de Edson Ratinho:

Oportunidades no time:

"Foram duas oportunidades que eu tive. Sei das minhas qualidades e da minha condição. Fiz duas boas atuações contra o Botafogo e o Sport. Cabe ao Fernandão decidir se vai me utilizar".

Torcedor:

"Temos que trazer o torcedor do nosso lado. Temos que parabenizar o torcedor pelo que fez no segundo tempo. A torcida nos aplaudiu já na entrada do segundo tempo, como se o jogo estivesse 0 a 0. Este é o espírito. Somos uma equipe forte, mas com a ajuda do torcedor, nos tornamos mais fortes".

Elogios de Fernandão:

"Eu fiquei feliz por ser citado, por ter feito uma boa atuação. Eu sempre procuro fazer o meu melhor para ajudar os companheiros e a equipe que estou defendendo. Ele tem os seus motivos e ele teve os motivos de expor. Ele é o comandante e nós temos que aceitar da melhor forma possível. No primeiro tempo, foi vergonhoso mesmo. Quem estava dentro de campo, sabe que foi vergonhoso".

"Zona de conforto":

"Eu vou tirar por mim mesmo. A minha vontade é sempre grande. Eu estou encarando essas oportunidades como uma das últimas da minha vida. Eu procuro o meu espaço aqui no Brasil. Eu vejo os jogadores com dedicação. Esses 45 minutos que aconteceram, foi aquele momento que jamais vai se repetir. Sabemos da importância de cada partida. Vamos reverter essa situação".

 

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.