Números

Em sua melhor fase no Inter, Nico López se aproxima dos números que tinha no Nacional

Com os dois gols marcados sobre o Londrina, atacante uruguaio já é um dos artilheiros da Série B

15/05/2017 - 20h00min | Atualizada em 15/05/2017 - 21h00min
Em sua melhor fase no Inter, Nico López se aproxima dos números que tinha no Nacional Ricardo Duarte / Divulgação/Inter/Divulgação/Inter
Foto: Ricardo Duarte / Divulgação/Inter / Divulgação/Inter  

Contratado pelo Inter 301 dias atrás, Nico López demorou a encontrar um espaço na equipe. Desembarcou no Beira-Rio nove dias após a demissão de Argel Fucks, e já sob o comando de Celso Roth. Pouco mais de um mês após desembarcar em Porto Alegre, marcou o seu primeiro gol pelo Inter. Sobre o Fortaleza, na goleada por 3 a 0, que classificou a equipe à segunda fase da Copa do Brasil. E foi o seu único gol na temporada. Com a vertiginosa queda colorada na tabela, Nico também ficou em baixa, perdendo posição no time e até mesmo no elenco. Sofreu com lesões musculares e sequer foi convocado para o banco de reservas em inúmeros jogos.

Veio a temporada 2017 e, com Antônio Carlos Zago, a vida de Nico López mudou. Ganhou espaço, fez gols e foi obrigado a se esforçar para marcar a saída de bola dos adversários. Foi emblemática a imagem da TV na qual Nico está sentado e chateado no banco de reservas do Estádio do Vale, no intervalo da vitória colorada sobre o São José, sem querer participar da tradicional "roda de bobinho" dos suplentes. Ainda que Zago não tenha admitido publicamente, Nico havia levado um puxão de orelhas por não ser solidário na marcação.

Leia mais:
Intensidade e marcação sob pressão, os pontos fortes do Palmeiras de Cuca contra o Inter
De olho no Palmeiras, Zago aguarda recuperação de dois titulares para definir a escalação

Depois daquilo, Nico passou a se entregar à marcação, por vezes foi visto jogando até como volante, e acabou sendo o artífice da mais emblemática classificação do Inter na temporada: contra o Corinthians, em Itaquera. Foi dele o chute que bateu em Fágner, empatou o clássico para o Inter, provocando a decisão por pênaltis, com vitória colorada.

Agora, mesmo com a chegada de William Pottker e com a estreia de Marcelo Cirino, o uruguaio da camisa 7 parece ter a sua posição no time garantida. Afinal, com os dois marcados contra o Londrina, Nico já soma nove gols em 19 partidas na temporada — ele divide a artilharia da competição com Tiago Marques (Juventude) e Eliandro (Guarani). Está perto de bater a melhor marca de sua carreira, com 21 jogos e 11 gols, pelo Nacional da temporada 2015/2016, quando levou o time às quartas de final da Libertadores, marcando quatro gols, e caindo para o Boca Juniors.

Os números de Nico

Inter 2017 — 19 jogos, 9 gols
Inter 2016 — 14 jogos, 1 gol
Nacional (URU) 2015/2016 — 21 jogos, 11 gols
Granada (ESP) 2015/2016 — 10 jogos, nenhum gol
Verona (ITA) 2014/2015 — 26 jogos, 5 gols
Udinese (ITA) 2013/2014 — 26 jogos, 3 gols
Roma (ITA) 2012/2013 — 7 jogos, 1 gol
Nacional (URU) 2011/2012 — 2 jogos, nenhum gol
Nacional (URU) 2010/2011 — 4 jogos, 3 gols

* ZHESPORTES



 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.