De olho em 2020

Grêmio Náutico União lança projeto de centro olímpico

Local é desenhado para ser referência no Brasil em quatro esportes: esgrima, ginástica rítmica, ginástica artística e judô

30/01/2014 | 14h41
Grêmio Náutico União lança projeto de centro olímpico Grêmio Náutico União/ Divulgação/
Foto: Grêmio Náutico União/ Divulgação

Já de olho na Olimpíada de 2020, em Tóquio, o Grêmio Náutico União lançou nesta quinta o projeto de seu centro olímpico, desenhado para ser referência no Brasil em quatro esportes: esgrima, ginástica rítmica, ginástica artística e judô.

O complexo ocupará uma área de 10 mil metros quadrados na sede Moinhos de Vento, com frente para a Rua 24 de Outubro, e inclui uma academia de 700 metros quadrados para atletas e sócios. O custo estimado é de R$ 25 milhões, bancados com recursos do clube, e a previsão é de que a obra seja concluída em dois anos — isso a contar a partir da aprovação do projeto por uma série de órgãos.

— Tem Smurb (Secretaria Municipal do Urbanismo), Smam (secretaria do Meio Ambiente), Smov (secretaria de Obras e Viação), até a EPTC, pois envolve o aumento do fluxo na 24 de Outubro. Precisamos negociar com cada uma delas. Minha esperança, se tudo der certo, é obter as licenças até o final do ano — disse o presidente do GNU, Francisco Miguel Schmidt.

O projeto do Centro Olímpico dá seguimento ao da construção do Parque Aquático Newton Silveira Netto, na mesma sede, agora com piscinas de 25m e 50m no padrão da Federação Internacional de Natação (Fina). Em dezembro, o clube recebeu uma das três principais competições do Brasil, o Troféu Open. Antes, em outubro, representantes da seleção francesa visitaram o complexo, que pode servir como base de preparação para os Jogos do Rio, em 2016.

A ideia, no centro, é formar um núcleo de suporte ao atleta olímpico, integrando áreas de medicina, fisioterapia, fisiologia, biomecânica, bioquímica, nutrição, psicologia e estatística. Forte na natação (com nomes como Samuel De Bona e Graciele Herrmann) e no remo, o União quer aprimorar o trabalho em outras quatro modalidades olímpicas.

Em três delas, o clube já vem colhendo bons resultados — vide o desempenho de atletas como Adrian Gomes, Juliana Santos (ambas da ginástica artística), Eliane Sampaio, Gabriela Ribeiro, Stephany Gonçalves, Andressa Jardim (todas da ginástica rítmica), Guilherme Toldo e Gabriela Cecchini (esgrima). No judô, o sonho é quebrar a hegemonia da Sogipa, campeã estadual nos últimos 25 anos e casa dos medalhistas olímpicos Mayra Aguiar e Felipe Kitadai.

— A competição é importante — comentou Schmidt.

— Estamos crescendo no judô, e o sucesso da Sogipa provoca em nossos atletas o desejo de se superar.

O projeto do centro Olímpico, assinado pela Santini e Rocha Arquitetos (mesmo escritório do estádio olímpico da PUCRS), prevê estratégias de sustentabilidade e almeja a certificação Leed para edifícios verdes. Também pode ser ampliado: se houver investidores — dobrando o valor para R$ 50 milhões —, acima do Centro Olímpico será erguida uma torre comercial com até 10 pavimentos.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.