Estruturas temporárias

Planta mostra o que a Fifa pretende para o Beira-Rio e seu entorno durante a Copa

O projeto, que inclui o Gigantinho, o Centro de Eventos e um edifício-garagem, custaria cerca de R$ 30 milhões

19/02/2014 | 06h47

É fácil entender por que o valor das estruturas temporárias do Beira-Rio para a Copa do Mundo gira em torno de R$ 30 milhões. Zero Hora teve acesso a uma das plantas elaboradas pelo Comitê Organizador Local (COL) e pela Fifa, que mostra o quanto o desenho do estádio e de seu entorno deve ser alterado durante o período do Mundial.

Ainda que deva sofrer alterações e adaptações, o projeto mostra a utilização de Gigantinho, Centro de Eventos e edifício-garagem para abrigar voluntários, equipes de segurança, imprensa e recepção a torcedores que comprarem pacotes turísticos da Fifa — essas três estruturas são as únicas contribuições que o Inter afirma poder dar, além do estádio. O restante do custo caminha para ser bancado por Estado e município. Um documento de 2013, divulgado por zerohora.com na manhã de terça-feira, aponta que o COL entende que o montante deve ser dividido entre o clube e o poder público.

O custo inicial do que foi pedido por Fifa e Comitê Organizador Local (COL) era estimado em R$ 79 milhões. Após uma série de ajustes, as autoridades locais enxugaram o orçamento e chegaram a um valor ainda não fechado, entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões. Ao todo, serão 29 os itens, divididos em três grupos: equipamentos (ar-condicionado, itens de áudio e vídeo, geradores, aparelhos de raio x), serviços (operação de segurança, manutenção, instalação de módulos sanitários, tendas, limpeza) e obras civis (elétrica, hidráulica, TI, cercamento).

 

Tanto prefeitura quanto Estado sustentam que apenas investirão naquilo que puder ser usado depois da competição, como geradores e aparelhos de raio x. Entretanto, uma série de itens, como tendas e instalações sanitárias, tem de ser locada. Para solucionar esse impasse, é estudada a criação de uma espécie de lei de incentivo exclusiva para a Copa. Empresas que investirem nesses equipamentos receberiam, como contrapartida, isenção de impostos. O modelo final tem de ser apresentado ainda nesta quarta-feira, para que o anúncio do acordo ocorra na quinta-feira. Dentre as estruturas temporárias necessárias, a Fifa é responsável por áreas de hospitalidade, exposição comercial, concessão de alimentos e bebidas, produtos licenciados, sinalização, decoração e contratação de serviços como internet pra imprensa.

Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.