No sangue

Unidas pelo surfe, família Leal possui três gerações apaixonadas pelo esporte

Gosto pela prancha começou com João Pedro Leal, 60 anos, que ensinou o filho Pedro, 23, e os gêmeos Ricardo e Eduardo, 12

13/02/2014 | 21h38
Unidas pelo surfe, família Leal possui três gerações apaixonadas pelo esporte Harleyson de Almeida/
Foto: Harleyson de Almeida

O amor pelas ondas passou do pai para os filhos. O patriarca João Pedro Leal, 60 anos, ensinou o filho Pedro, 23, e os gêmeos Ricardo e Eduardo, 12, a paixão pela prancha. A família é unida pelo surfe e se encontra periodicamente para praticar o esporte. Nesse ano eles vão se reunir novamente para defender o nome do clã ao participar da 3ª edição do Madeirite Trópico, maior evento de resgate da história do surfe no Brasil, que acontece nos dias 29 e 30 de março, em Torres.

João Pedro surfa hoje contente por estar em família praticando o esporte predileto, mas fica ainda mais feliz quando vê a tecnologia que tem a disposição hoje e lembra das dificuldades do passado quando foi um dos pioneiros de Imbituba.

— Hoje temos roupas de borracha e leash de prancha. No meu tempo usava pulôver e manguito que comprava na farmácia pra segurar a prancha. A roupa pesava e gelava e a cordinha arrebentava (risos). Agora é que me dou conta quantos perigos a minha geração enfrentou — comenta.

Nativo em uma época em que as facilidades tecnológicas ajudam mais, o jovem Ricardo, fã de Gabriel Medina e Kelly Slater, também compartilha do amor pelas ondas.

— O surfe é o meu esporte favorito. Essa é a melhor coisa da vida e a minha maior alegria é estar no mar com os amigos e a família — revela.

O grupo se concentra agora em treinar para participar da categoria Pais e Filhos do 3º Madeirite Trópico. Na última edição eles conquistaram a segunda colocação e agora querem ir mais longe.

— Madeirite representa pra mim e pra comunidade o símbolo de saúde mental e física através do surfe, além de ser um excelente reencontro com amigos de surfe, da praia e da infância. Faz bem pra quem curte essa religião chamada surfe — explica João.

Segundo o diretor de expansão da Trópico, Gustavo Schifino, um dos organizadores do evento, o Madeirite é "o maior encontro de gerações de toda história do surfe brasileiro e o resgate das raízes do esporte". Na última edição participaram mais de 300 pessoas, entre elas nomes de peso como Andre Johannnpeter, Neco Padaratz, Eduado Bier e Rodrigo "Pedra" Dornelles.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.