Planos

Novo presidente da Uefa pode impedir expansão dos grandes países na Liga dos Campeões

Aleksander Ceferin pode vetar mudanças para os próximos anos

Por: AFP
21/09/2016 - 15h14min | Atualizada em 21/09/2016 - 15h14min
Novo presidente da Uefa pode impedir expansão dos grandes países na Liga dos Campeões ARIS MESSINIS/AFP
Ceferin assumiu a Uefa e pretende realizar mudanças Foto: ARIS MESSINIS / AFP

O novo presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, declarou que a reforma da Liga dos Campeões para o período de 2018-2021 "pode mudar", nesta quarta-feira em Londres, durante a apresentação do logo da Euro 2020.

Questionado por um jornalista sobre a impossibilidade de voltar atrás nas reformas antes de 2021, o dirigente esloveno respondeu: 

— Não concordo com você, veremos isso. Tudo pode mudar.

Leia mais:

Antalyaspor suspende Eto'o após alegações de racismo
Justiça americana marca julgamento do caso Fifa para novembro de 2017
France Football determina as novas regras para eleger os melhores do mundo

A Uefa, em pleno recesso de final de agosto, decidiu que, para o período de 2018 a 2021, Espanha, Inglaterra, Alemanha e Itália teriam quatro vagas cada garantidas na fase de grupos da Liga.

A Associação Europeia de Ligas de Futebol Profissional (EPFL) denunciou "uma decisão que aumenta de forma exponencial o abismo esportivo e econômico entre os maiores clubes da Europa e o resto".

— Não é bom para as pequenas e médias federações. Mas ontem (terça-feira) foi meu primeiro dia. Preciso verificar quais são as vantagens e desvantagens desta decisão. E há vantagens e desvantagens. Vou examiná-las e agir — garantiu Ceferin nesta quarta-feira.

Dirigente questiona eventual indenização a Platini

Apesar de se dizer contra a reforma, Ceferin havia prevenido antes da eleição de que não seria capaz de anular a decisão de reformar o modelo da Liga dos Campeões. Recém-eleito, o novo presidente prometeu conversar com as 55 federações membros da Uefa para ver "o que poderia ser feito".

O novo chefão do futebol europeu também comentou as revelações de terça-feira do jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung. Segundo o veículo, a Uefa poderia pagar importante soma ao ex-presidente da entidade Michel Platini a título de indenização por demissão, apesar de o francês estar suspenso por quatro anos por suposta corrupção.

— Ouvi falar disso ontem (terça). Tenho uma reunião com a administração (da Uefa) para falar sobre esse assunto na segunda-feira — declarou Ceferin, de 48 anos. — Posso garantir que não faremos nada de ilegal ou antiético.

Questionado sobre o motivo do ex-presidente Platini ter direito a indenização, Ceferin respondeu: 

— Quem disse que ele vai receber esse dinheiro? Eu não falei isso.

O dirigente esloveno brincou com a própria remuneração, que ele afirmou ainda não saber o valor: 

— Essa é a pergunta mais interessante! Talvez eu saiba na semana que vem.


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.