De Fora da Área

Carlos Etchichury: melhor um erro do que um acerto ilícito

Editor-chefe do Diário Gaúcho defende que o uso de imagens de TV para ajudar o árbitro não pode ser usado antes de ser regulamentado pela Fifa

16/03/2017 - 20h16min | Atualizada em 16/03/2017 - 22h07min
Carlos Etchichury: melhor um erro do que um acerto ilícito Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS  

Para condenar o autor de um crime, é válido utilizar-se de provas ilícitas, como tortura ou interceptação telefônica sem autorização judicial? É ético desrespeitar as normas constituídas sob pretexto de um interesse maior?

As mesmas perguntas devem ser feitas quando o assunto é o uso de recursos eletrônicos proibidos pela Fifa, como imagens da TV, por árbitros durante os jogos de futebol. Antes de prosseguir nestas mal traçadas, vou logo avisando que defendo o emprego de recursos eletrônicos pelos juízes. É mais racional. Não faz sentido que um esporte que desperta a paixão de multidões e movimenta bilhões de dólares, todos os anos, despreze a tecnologia. 

Leia mais:
O desabafo do árbitro Diego Real: "Não sou um criminoso"
Novelletto sobre punição a Diego Real: "Chamei a responsabilidade"
FGF blinda Diego Real e chefe da arbitragem responde à denúncia do Inter: "Não somos desonestos"

Erros primários como o cometido pelo árbitro Diego Real, que marcou um pênalti inexistente e decisivo em Caxias na vitória do Juventude contra o Inter, no último domingo, seriam evitados — o que preservaria o campeonato, os times, os patrocinadores, as torcidas e os próprios árbitros.

Mas enquanto não houver a mudança nas regras, enquanto a Fifa não se der conta do óbvio, é preferível o engano, por obtuso que seja, do que o uso irregular da TV. É mais saudável para o futebol o equívoco do que a trapaça tolerada supostamente pelo "interesse maior". É melhor um erro lícito do que um acerto ilícito.

Sem a mudança, qual o critério para que juízes e bandeirinhas, avisados por repórteres ao lado do campo ou mesmo pela equipe de arbitragem via ponto eletrônico, se utilizem de imagens de televisão na tomada de decisão? Bom senso? É subjetivo e questionável.

Além de desrespeitar as regras, uma equipe de arbitragem que decide, de forma unilateral, utilizar-se da tecnologia pode desequilibrar um campeonato. É uma decisão arbitrária, que beneficia times grandes, que exercem mais pressão e têm mais cobertura da mídia. Uma informalidade contempla a Série A, fartamente coberta pelas redes de televisão, mas não as B e C, que despertam menos interesse pela mídia. Para o bem do futebol, mudem as regras ou respeitem as imprecisões humanas.

Leia outros textos da seção De Fora da Área

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.