Ficou feio

Presidentes dos dois clubes criticam postura dos jogadores em confusão após o Ca-Ju

Briga envolvendo os atletas dos dois times ocorreu na saída da delegação grená do estádio

Por: Cristiano Daros
19/03/2017 - 19h48min | Atualizada em 19/03/2017 - 19h50min
Presidentes dos dois clubes criticam postura dos jogadores em confusão após o Ca-Ju Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Jogadores de Juventude e Caxias tiveram que ser contidos pela Brigada Militar Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS  

A briga entre os jogadores na saída da delegação grená do Jaconi, sábado à noite, foram condenadas pelos presidentes dos dois clubes. Ambos não presenciaram a confusão.

— Pelo o que fiquei sabendo, houve exagero das duas partes. Acho que tem que deixar a torcida fora, porque torcida é passional e houve colocações dos dois lados. Mas as pessoas que militam no meio do futebol, que recebem para isso, têm que ser mais profissionais — afirma Roberto Tonietto, presidente do Ju.

— A gente não concorda com os jogadores entrando na onda da torcida. Não concordamos também com o revide por parte dos jogadores do Juventude. Nesse caso, ninguém tem razão — avalia Maurício Grezzana, presidente grená.

Centro da confusão, as provocações do meia Wagner após o jogo e em redes sociais motivaram mais críticas de Tonietto, que também repudia a postura de seus jogadores.

— Houve exagero por parte do Ruan Renato e do Caion. Não tinham que estar ali para brigar. Tinham que sair do vestiário e ir para casa. Também acho que houve exagero de dois atletas do Caxias. O Wagner não tinha que cravar a bandeira no estádio. Depois, me mandaram uma postagem em rede social que achei um absurdo. Nisso ele ofendeu a instituição Esporte Clube Juventude, dizendo que o estádio é chiqueiro e chamou os colegas dele de porcos. Acho extremamente grave. E a declaração do goleiro deles, falando de camarote e pegar mulher. Achei uma baixaria tremenda — pontua o mandatário papo.

No lado grená, Grezzana garante que irá conversar com o grupo de jogadores. As provocações entre os atletas preocupam o dirigente:

— Teve muita conversa, um exagero da corneta. Não é de hoje, é histórico isso. Desde a década de 70, como recentemente atletas do Juventude que jogaram no Caxias. Isso vai criando um clima pesado — diz o grená.

Ainda nesta semana, os dois presidentes devem se encontrar para conversar sobre as cenas lamentáveis de sábado.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.