Opinião

Leonardo Oliveira: esse filme de Arthur eu já vi, e tinha Renato como personagem principal 

Em 1982, técnico também precisou convencer o técnico para ganhar vez

Por: Leonardo Oliveira
15/05/2017 - 22h08min | Atualizada em 15/05/2017 - 22h08min
Leonardo Oliveira: esse filme de Arthur eu já vi, e tinha Renato como personagem principal  LUCAS UEBEL/Grêmio,Divulgação
Foto: LUCAS UEBEL / Grêmio,Divulgação  

A discussão envolvendo Arthur e a ponta de resistência de Renato em efetivá-lo como titular me remete a 1982, quando eu recém começava a acompanhar o futebol e o todo o noticiário que o cercava. Me lembro da discussão que ocupava os espaços nas rádios e nos jornais e tinha como centro Renato. Na época, no vigor de seus 19 anos, tinha sua escalação pedida pela torcida e pela imprensa. Um clamor que esbarrava na firmeza da mão de Ênio Andrade, um dos maiores técnicos que o Brasil já teve. 

Leia mais:
Cortez terá sequência de nove jogos como substituto de Marcelo Oliveira
Arthur projeta evolução da parte física com sequência no Grêmio
Muricy Ramalho elogia desempenho de Arthur: "É um achado"

Ênio sustentava que era preciso conter o ímpeto e o temperamento do ponteiro-direito que levava a torcida mais cedo ao Olímpico em dias de jogos, para vê-lo zunir na preliminar. O titular de Ênio era Tarciso, em um tima em que havia ainda Paulo Isidoro e Vílson Tadei a municiar Baltazar, o "Artilheiro de Deus".

Renato só foi ganhar mais espaço como titular com Carlos Castilho, no final daquele 1982, na disputa do Gauchão – naquela época, os regionais perambulavam pelo calendário. Vendo a dicussão agora em torno de Arthur, me parece que Renato está com a mesma mão firme de Ênio Andrade. Primeiro, Arthur não poderia ser volante. Depois, que tinha de jogar na meia. Agora, que o guri precisa dosar a energia. Me parece restrição demais com um jogador que vem correspondendo e mostrando ser acima da média. É melhor do que os demais disponíveis neste Grêmio. Veja bem, não estou comparando o futebol de Renato em sua época de guri com o de Arthur.

Se Renato tiver tempo e, numa sessão de nostalgia, puder recuar 35 anos no tempo, verá que ele está fazendo com Arthur o mesmo que sofreu na carne com Ênio Andrade. O tempo mostrou, logo depois, que a implicância de um dos maiores técnicos do futebol brasileiro com ele era sem razão. 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.