Série B

Torcedor Xavante: a cirurgia necessária no time do Brasil-Pel

Artur Chagas fala sobre as mudanças no clube de Pelotas

21/07/2017 - 11h05min | Atualizada em 21/07/2017 - 11h05min
Torcedor Xavante: a cirurgia necessária no time do Brasil-Pel Carlos Insaurriaga / Brasil de Pelotas / Divulgação/Brasil de Pelotas / Divulgação
Foto: Carlos Insaurriaga / Brasil de Pelotas / Divulgação / Brasil de Pelotas / Divulgação  

Rogério Zimmermann deixou o comando xavante depois de inéditos 5 anos e 2 meses. A má campanha em 2017 foi determinante: foram 16 derrotas 8 vitórias e 9 empates em 33 jogos. Trinta e um gols marcados e 44 sofridos. Apenas 33% de aproveitamento. Em entrevista coletiva, o presidente xavante confirmou que os resultados insuficientes provocaram a demissão. Porém, Ricardo Fonseca negou que a decisão tenha sido tomada por pressão da arquibancada. 

De qualquer forma, é bom saber que o primeiro mandatário do clube se convenceu que os resultados recentes é que apontam a manutenção ou não de um treinador; aliás em qualquer clube do mundo, e no xavante não poderia ser diferente. Segundo Ricardinho, o novo treinador deverá ter "um perfil vencedor".

Leia mais:
D'Alessandro e Camilo podem jogar juntos no Inter?
Com time mais ofensivo, Inter chega a Goiânia apostando no bom desempenho fora de casa
Saiba como está o Vila Nova, adversário do Inter neste sábado

Alguns nomes estão sendo especulados: Antônio Carlos Zago, Beto Campos, Clemer, Julinho Camargo e Itamar Schulle são os mais referidos. Zago é um bom nome, no meu entender. Precisa retomar a carreira, dificilmente atuará na Série A neste segundo semestre, exceto para tirar algum time da ameaça de rebaixamento. Nesse caso, a missão de manter o Brasil na Série B seria uma tarefa bem mais viável para o ex-técnico do Inter. Outro bom nome é o do atual campeão gaúcho. 

Se eu levar em consideração o fato de que Beto Campos não serve porque não está levantando o Náutico, Luiz Carlos Wink também não serviria porque não subiu o Pelotas, o que é um argumento absurdo ao olharmos a campanha do Criciúma pós Wink. Julinho Camargo, Itamar Schulle e Clemer eu não gostaria. Explico: o delicado momento xavante não permite apostas. A vida saudável do clube está diretamente ligada à permanência na Série B do Brasileiro. Significa manutenção ou aumento de patrocínios, conclusão da nova Baixada e consolidação das categorias de base. Portanto, não é hora para experiências. Avante!

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.