20 anos sem Senna

Senna teria encerrado a carreira na Ferrari, diz Montezemolo

Presidente da escuderia revelou conversa que teve com o piloto em 27 de abril de 1994, quatro dias antes do acidente fatal no GP de San Marino

30/04/2014 - 19h31min
Senna teria encerrado a carreira na Ferrari, diz Montezemolo Divulgação/Divulgação
Senna viveu os melhores momentos da carreira pilotando a McLaren Foto: Divulgação / Divulgação  

Se não tivesse morrido no trágico acidente em Ímola, ocorrido há 20 anos, Ayrton Senna teria encerrado a sua carreira como piloto na Ferrari, afirmou o presidente da equipe italiana, Luca di Montezemolo, em comunicado divulgado nesta quarta-feira para comentar sobre o ídolo brasileiro.

A morte do tricampeão da Fórmula-1 completa duas décadas nesta quinta, dia 1º de maio.  Montezemolo fez a declaração ao revelar uma conversa que teve com Senna em 27 de abril de 1994, quatro dias antes do acidente fatal no GP de San Marino.

— Nós nos encontramos na minha casa, em Bologna (Itália). Ele me contou como estava apreciando o modo como lutamos contra o excessivo uso de eletrônicos no comando do carro, o que podava as habilidades do piloto — disse o dirigente italiano.

— Conversamos durante um bom tempo e ele me deixou claro que queria encerrar sua carreira na Ferrari. Concordamos em nos encontrar novamente, porque acreditávamos que a Ferrari era o lugar ideal para ele dar sequência à sua trajetória. Infelizmente, o destino tirou de nós Ayrton e Roland Ratzenberger (piloto austríaco que morreu num acidente durante os treinos daquele GP de San Marino em Ímola), num dos finais de semana mais tristes da história da Fórmula-1 — lembrou Montezemolo. 

O dirigente revelou ainda que sonhava contar com Senna na equipe italiana porque admirava seu estilo "lutador" nas pistas.

— Lembro de sua bondade e do seu jeito tímido, o que era um grande contraste com sua postura nas pistas. Era um lutador tentando sempre ser o melhor — destacou.

Senna morreu aos 34 anos quando disputava apenas a sua terceira corrida com a Williams, após deixar a McLaren no fim de 1993. Com a equipe britânica, ele tinha contrato de dois anos, até o fim de 1995. Depois, poderia ter ido para a Ferrari, que acabou apostando, em 1996, na contratação do alemão Michael Schumacher, então bicampeão da Fórmula-1 pela Benetton, que viria a conquistar mais cinco títulos pela escuderia italiana. 

 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.