Versão mobile

Banco Central regulamenta mais uma medida para enfrentar a crise

Determinação prevê que 70% do depósito compulsório seja recolhido em espécie

14/11/2008 - 12h46min
Entra em vigor nesta sexta-feira circular do Banco Central que retira a remuneração de parte dos depósitos a prazo que os bancos são obrigados a recolher. A medida, anunciada no dia 30 de outubro, determina que 70% do depósito compulsório não seja mais recolhido em títulos, mas em espécie, sem remuneração. Os depósitos compulsórios são os recursos que os bancos são obrigados a deixar no BC.

Essa é uma forma que a autoridade monetária tem para controlar a quantidade de dinheiro disponível no mercado. No final de outubro, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que o objetivo da decisão era tornar mais eficaz a medida de estímulo à compra de carteiras de pequenos bancos por grandes instituições, com expectativa de direcionamento de R$ 28 bilhões para esse fim.

Com o agravamento da crise financeira internacional, os bancos pequenos foram mais atingidos pela restrição de recursos no mercado e a venda de carteira é um meio de ter mais dinheiro disponível. A decisão era uma forma de pressionar as instituições financeiras maiores a repassarem os recursos para as menores, uma vez que havia denúncias de que alguns bancos estariam comprando títulos ao invés de fazer as aplicações estimuladas pela autoridade monetária.

Em sentido contrário, na quinta-feira o BC estabeleceu mudança em outro tipo de recolhimento obrigatório: o compulsório adicional sobre os depósitos a prazo, à vista (conta corrente) e em caderneta de poupança. A partir do próximo dia 1º de dezembro, esse recolhimento não será feito em dinheiro, mas em títulos públicos. Atualmente, a remuneração desse compulsório em dinheiro é feito pela taxa básica de juros, a Selic. Depois do dia 1º, a remuneração vai depender de cada título.

As alíquotas do compulsório adicional não mudaram: 5% para depósitos à vista e a prazo e 10% para poupança. Ou seja, para cada R$ 100 de depósitos à vista e a prazo, R$ 5 são obrigatoriamente recolhidos ao BC, assim como R$ 10 de poupança.

Segundo a assessoria de imprensa do Banco Central, o objetivo da medida era garantir mais dinheiro disponível e recompor os compulsórios recolhidos em títulos. Ou seja, a medida deve estimular a procura por títulos públicos por parte das instituições financeiras. Segundo o BC, o total desse recolhimento está em R$ 40 bilhões.

Os títulos são papéis que o Tesouro oferece para pegar dinheiro dos investidores e honrar os compromissos. Em troca, o governo compromete-se a devolver o valor, acrescido de um adicional, que pode ser a taxa Selic, os índices de inflação, a variação do dólar ou ser definido anteriormente, como nos títulos prefixados.

Entenda a crise

Notícias Relacionadas

14/11/2008 | 12h45

Vendas no varejo dos EUA têm maior queda desde 1992

Negociações caíram 2,8% em outubro, informou hoje o Departamento do Comércio do país

14/11/2008 | 12h21

Fábricas da Renault interrompem produção para reduzir estoque

Vendas da montadora caíram 14,1% em outubro

14/11/2008 | 09h25

Hong Kong entra em recessão e governo corta projeções

PIB contraiu-se 0,5% no terceiro trimestre em comparação ao segundo trimestre

14/11/2008 | 08h44

Itália entra em recessão técnica no terceiro trimestre

PIB do país encolheu 0,5%, depois de uma contração de 0,3% nos três meses anteriores

14/11/2008 | 08h28

Zona do euro entra em recessão pela primeira vez na história

Números são da agência de estatísticas Eurostat

14/11/2008 | 08h08

Royal Bank of Scotland cortará cerca de três mil postos de trabalho

Baixas afetarão as operações do RBS no mundo todo

14/11/2008 | 04h10

Europa tem quase 10 mil demissões por dia

Próximo passo, segundo políticos, é a crise social

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.