Versão mobile

Ministro da Cultura quer português como língua oficial da ONU

Pedido às Nações Unidas depende de ratificação do acordo ortográfico

14/11/2008 - 10h11min
O ministro da Cultura do Brasil, Juca Ferreira, expressou na quinta-feira sua esperança de que os oito países lusófonos ratifiquem o acordo ortográfico de unificação da língua para solicitar que o português seja idioma oficial da ONU. Segundo o ministro, quando acontecer a ratificação, que ainda precisa de apoio da metade das nações lusófonas, a comunidade estará "capacitada politicamente" para solicitar que a língua portuguesa se some às seis que já são oficiais nas Nações Unidas — inglês, francês, chinês, russo, espanhol e árabe.

Conforme Ferreira disse em coletiva de imprensa em Lisboa, o acordo ortográfico, já ratificado por Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, precisa ainda de apoio de Moçambique, Guiné-Bissau, Angola e Timor-Leste, embora essas duas últimas nações já estejam em processo de referendá-lo. Ferreira e o ministro da Cultura luso, José Antonio Pinto Ribeiro, anunciaram que proporão a elaboração de um estudo para determinar o valor econômico da língua portuguesa.

O brasileiro foi a Lisboa para se reunir com ministros de Educação e Cultura da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) com o objetivo de reforçar o papel de seu idioma no mundo, falado por cerca de 240 milhões de pessoas. Na coletiva, Ferreira afirmou esperar que o Brasil consolide em no "máximo" quatro anos o acordo da língua.

— O acordo ortográfico demandará um trabalho técnico dos países lusófonos e, caso não se firme o tratado, ficará apenas como uma declaração de boas intenções — ressaltou o ministro brasileiro.

Notícias Relacionadas

14/11/2008 | 09h25

Brasil e Portugal discutem em Lisboa implementação do acordo ortogrático

A instalação do Centro de Estudos do Patrimônio, no Rio de Janeiro, também será discutido

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.