Versão mobile

Desabamento em Capão da Canoa: prefeitura diz que vai aumentar a fiscalização em obras

Pego de "surpresa" com o fato, vice-prefeito pretende propor lei para exigir vistoria em prédios antigos

Atualizada em 19/07/2009 | 19h3219/07/2009 | 18h47
Desabamento em Capão da Canoa: prefeitura diz que vai aumentar a fiscalização em obras  /
Quatro pessoas morreram no desabamento em Capão da Canoa Foto: zerohora.comgaleria de fotos
Após o desabamento em uma obra sem licença em Capão da Canoa, no litoral norte gaúcho, que deixou quatro mortos e um ferido, neste domingo, a prefeitura do município promete aumentar a fiscalização sobre obras.

O vice-prefeito Alzemiro Pereira Raupp (PPS) admite que não sabe se foi pedida uma licença para a obra que estava sendo feita nos fundos do Edifício Santa Fé, na Avenida Beira-Mar, 1.479.

— Esse acontecimento não vai abalar a nossa construção civil em Capão da Canoa porque foi um caso isolado em um prédio antigo. A gente sente pelas pessoas que perderam a vida mas, com certeza, vamos tirar uma lição dessa tragédia e criar uma forma de aumentar as vistorias nas obras mais antigas do município — diz ele.

— Vou conversar com o prefeito (Amauri Magno Germano, do PT) e vamos fazer um projeto de lei para que todas as obras com mais de cinco anos sejam vistoriadas pela prefeitura. Vamos fazer uma varredura para evitar outros problemas — completa.

Confira gráfico:



Segundo ele, nesta segunda-feira engenheiros da prefeitura vão retornar ao prédio, construído em 1982, para continuar a perícia que começou a ser feita neste domingo por uma equipe do Instituto-Geral de Perícias.

— Pequenos detalhes como troca de reboco e pintura não precisam de licença. Temos de ver com calma o que foi feito no local — explica o vice-prefeito.

O secretário de Obras e Infra-estrutura, arquiteto Tupi Feijó, já havia confirmado que as obras realizadas até agora no edifício não tinham licença. Ele diz que a perícia vai verificar se esse licenciamento era necessário, já que autorização municipal não é imprescindível para pequenos consertos:

— O certo é que a empresa já estava trabalhando, há marcas nas colunas que indicam que aquilo foi mexido. Vamos ver se a profundidade exigia licenciamento.

A imobiliária que administra o prédio, a Contamec, e o empreiteiro que realizou reformas, Selino Cardoso (da empresa Quadros e Cardoso Ltda.) interpretam que não era necessária licença para efetuar os consertos no prédio. Licenciamento na prefeitura, acreditam os responsáveis pelo prédio, só se as obras fossem estruturais.

As vítimas

Simone Celiberto, 31 anos, e seu filho Rodrigo Celiberto dos Santos, cinco, o síndico Joel Dieter, 57, e a mulher dele, Marisa Preussler, 55, morreram no desabamento.

Confira reportagem na TV COM:



Confira a localização do prédio:


Visualizar Quatro pessoas morrem em desabamento parcial de prédio em Capão em um mapa maior

Notícias Relacionadas

19/07/2009 | 12h42

Obra que desabou em Capão da Canoa não tinha licença

Imobiliária e empreiteiro que realizou as reformas interpretam que não era necessária a permissão

19/07/2009 | 11h17

Polícia Civil abrirá inquérito para investigar desabamento em Capão da Canoa

Responsável pela obra, que desabou e matou quatro pessoas, ainda não foi localizado

19/07/2009 | 03h36

Quatro pessoas morrem em desabamento parcial de prédio em Capão da Canoa

Dois edifícios vizinhos foram evacuados

19/07/2009 | 01h20

Parte de prédio desaba em Capão da Canoa

Edifício Santa Fé estava em reformas devido a problemas estruturais

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.