Versão mobile

Escultor Érico Gobbi é homenageado em Rio Grande

Artista morreu na sexta-feira, de parada cardiorrespiratória

Por: Letícia Barbieri
15/08/2009 - 09h56min
Escultor Érico Gobbi é homenageado em Rio Grande Gerson Pantaleão /
A despedida ao escultor Érico Gobbi foi marcada pela discrição, em Rio Grande Foto: Gerson Pantaleão  

A despedida ao escultor Érico Gobbi foi marcada pela discrição, ontem em Rio Grande, no sul do Estado. Os amigos que prestaram homenagem ao escultor destacaram que as pessoas que ali estavam eram amigos que o conheciam, respeitavam e admiravam. O escultor morreu na sexta-feira, aos 84 anos.

Entre os presentes, o diretor sindical Flavio Maciel contou ter conversado com o escultor ainda na quinta-feira. Com um sorriso no rosto, ele respondeu ao bom dia de forma inusitada.

— Eu dei bom dia e ele me respondeu que o dia estava muito bom mesmo e que ele estava partindo. Ia pagar algumas contas para não deixar nada pendente. Depois iria até a prefeitura para fazer um último pedido, queria que a banda da Brigada Militar tocasse o hino nacional durante o seu sepultamento — contou Maciel.

Como forma de fazer cumprir o último pedido de Gobbi, Maciel fez cópias da letra do hino nacional para que os presentes pudessem homenagear o artista, com a permissão da família.

Secretário de Educação e Cultura de Rio Grande, Claudio Omar Nunes, só soube da morte de Gobbi na manhã de sábado. Na sexta-feira, ele cumprimentou brevemente o escultor na entrada da prefeitura. Segundo Nunes, Gobbi sempre era afável no convívio com outras pessoas.

— Pode parecer óbvio falar isso, mas a perda dele é irreparável para a vida intelectual e artística de nossa comunidade. Era uma pessoa que estava em plena atividade, trabalhando e conversando com todos. Só o tempo vai nos mostrar o quanto a morte dele representa de perda para nós — enfatizou Nunes.

Torcedor dos três times da cidade, Gobbi será homenageado ainda no sábado, na inauguração da iluminação do Esporte Clube Rio Grande — uma de suas grandes paixões. Um minuto de silêncio deve marcar a partida do ilustre rio-grandino, às 18h30min. 

Entre suas obras mais conhecidas está o monumento dedicado a Iemanjá, no balneário Cassino. Seus imponentes 2,1 metros de altura e duas toneladas se tornaram um ponto de referência para os umbandistas do Estado. Autor de aproximadamente cem esculturas, o artista era reconhecido internacionalmente, sendo agraciado com prêmios nos Estados Unidos, na Europa e Ásia.

O sepultamento foi às 15h, no Cemitério Protestante.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.