Versão mobile

Insônia está associada à morte prematura e a doenças cardiovasculares

Foram analisadas 2 mil pessoas e a taxa de óbitos foi três vezes maior entre os insones

14/08/2010 - 08h10min
Insônia está associada à morte prematura e a doenças cardiovasculares Arte/
Fatores ambientais, emocionais, orgânicos e psicológicos interferem no sono Foto: Arte  

Estima-se que a insônia crônica afete cerca de 20% da população brasileira. Estudos sugerem que dormir pouco aumenta os riscos de problemas cardiovasculares e outros distúrbios.

— É um grande desafio para o insone levar uma vida saudável. Ele nem sempre consegue ter disposição para a prática de exercícios ou disciplina para se alimentar. Dormir bem, ter uma dieta saudável e fazer atividades físicas são os pilares da longevidade — garante o neurologista do Instituto do Cérebro de Brasília Ricardo Teixeira.

— O tempo necessário para um repouso reparador varia de indivíduo para indivíduo. Já a qualidade não é tão variável. O sono pode ser bom ou ruim. Muitos pacientes despertam tantas vezes durante a noite que não conseguem descansar e isso também é uma característica da insônia — diz.

Um estudo conduzido na Universidade de Wisconsin, Estados Unidos, sugere que perder noites de sono pode significar perder dias de vida. Os resultados da pesquisa revelam que a insônia crônica parece estar associada à morte prematura. O risco foi constatado para os que não conseguem pregar os olhos e também entre aqueles que têm dificuldade de voltar a dormir, acordam várias vezes ou despertam cedo demais.

— Avaliamos dados de mais de 2 mil voluntários em três questionários realizados em 1989, 1994 e 2000. Verificamos que a mortalidade foi três vezes maior entre as pessoas com insônia crônica. A associação ocorreu independentemente de outros fatores, como enfisema, bronquite, infarto, hipertensão e diabetes. Os mecanismos envolvidos nessa relação, no entanto, não estão totalmente esclarecidos — explica a pesquisadora Laurel Finn, bioestatística ligada ao trabalho americano.

Predisposição

A insônia pode ter causas orgânicas, psíquicas e ambientais. Especialistas acreditam que há nos insones crônicos a predisposição genética e uma hiperatividade no eixo cerebral conhecido como hipotálamo-hipófise-adrenal, responsável pela liberação de cortisol. Diversos estudos apontam o estresse provocado pelo desgaste cotidiano ou por situações-limite como causas relevantes.

— Situações de ansiedade e depressão, nas quais estão inclusas as perdas da vida, os problemas familiares, econômicos e profissionais, podem prejudicar o sono e desencadear a insônia passageira ou crônica — observa o neurologista do Instituto do Sono, ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Luciano Ribeiro Pinto.

Foco no paciente

De acordo com o neurologista da Unifesp, a ansiedade é comum entre os insones. O sucesso no tratamento depende do diagnóstico correto, da identificação da causa da insônia e de terapias adequadas.

— A psicoterapia tem se mostrado fundamental nesse processo porque ajuda os pacientes a lidarem com as dificuldades. Alguns temem aderir ao tratamento farmacológico imaginando uma suposta dependência das drogas. Quando bem indicados, esses remédios são seguros — completa.

Os psicoterapeutas auxiliam os pacientes a reconhecerem seus problemas, hábitos nem sempre saudáveis adquiridos ao longo da vida, impactos que trouxeram marcas em sua trajetória e até aspectos ambientais, como ruídos e claridade no local onde se dorme.

— Nós não tratamos a insônia, mas sim o paciente — pontua a psicóloga especialista em transtornos do sono Mônica Müller.

Ela reforça que fatores ambientais, emocionais, orgânicos e psicológicos interferem no comportamento da pessoa.

— Estudos comprovam que a psicoterapia, aliada ao tratamento medicamentoso de curto prazo, é muito eficaz porque estimula o paciente a encontrar maneiras de enfrentar os contras do dia a dia, a dar a volta por cima. A privação de sono mexe com todo o organismo. Ela compromete, inclusive, a imunidade. Por isso, a psicoterapia é uma ferramenta promotora de mudanças que levam à superação do problema — pontua.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.