Versão mobile

Roubo cruel

Ladrões torturam mulher e roubam cerca de R$ 300 mil em Vila Maria

Assaltantes usaram um aparelho de choque portátil para fazer vítima contar onde estava o dinheiro

Atualizada em 28/04/2012 | 13h4628/04/2012 | 10h02

Uma mulher foi assaltada e torturada por ladrões em Vila Maria, no norte do Estado. Segundo a Brigada Militar, três homens encapuzados, usando luvas e coletes à prova de bala, invadiram a casa da vítima por volta das 22h30min. Em seguida, usaram um aparelho de choque portátil para fazê-la contar onde estava o dinheiro.

De acordo com a BM, os ladrões também tinham um rádio comunicador. A polícia informou que eles roubaram um revólver calibre 38, uma espingarda calibre 36, um celular, um notebook e uma aliança, além de levarem uma quantia aproximada de R$ 4 mil em dinheiro e cerca de R$ 300 mil em cheques. A vítima foi amarrada pelos bandidos.

Os policiais militares foram avisados do crime por vizinhos, que ouviram pedidos de socorro vindos do interior da residência. Quando os policiais chegaram ao local, porém, os assaltantes já haviam saído. Eles fugiram em um carro que estava na garagem da casa.

O veículo foi encontrado abandonado às margens da rodovia Passo Fundo-Marau (ERS-324), em Marau. A perícia esteve no local para tentar encontrar vestígios que possam identificar os autores do crime.

"Achei que eles iam me matar"

Abalada com o assalto, a vítima, que pediu para ter seu nome preservado por motivos de segurança, revelou em entrevista a Zero Hora os detalhes do assalto.

Ela contou que foi surpreendida pelos ladrões, que usaram um aparelho que dava choque para torturá-la e fazê-la contar onde estava o dinheiro.

Zero Hora — Como foi o assalto?

Vítima — Eu estava me preparando para fazer palavras cruzadas quando, de repente, eles arrombaram duas portas e entraram na casa. Meu marido estava em viagem e, quando me dei conta, eles já estavam na minha frente. Queriam o cofre e dinheiro. Estavam com colete e coturnos, pareciam policiais.

Zero Hora — Eles lhe torturaram?

Vítima — Eles me amarraram e davam choque. Reviraram tudo e, uma hora depois, fugiram com a caminhonete. Como esqueceram um rádio de comunicação, voltaram pouco tempo depois. Achei que eles iam me matar, mas só pegaram o rádio, me amarraram com mais força e foram embora.

Zero Hora — Como você se sentiu?

Vítima — O susto foi muito grande, fiquei apavorada. Ainda bem que não me bateram nem atiraram em mim. Foi muito triste.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.