Versão mobile

Poesia e desapego

Bruna Konder distribui obra de sua autoria em caixas de correio de Florianópolis

Jovem autora lançou o livro de poemas "Luxuriosa Catarse" em 2012, e agora quer desapegar-se de sua criação

28/01/2014 | 16h43
Bruna Konder distribui obra de sua autoria em caixas de correio de Florianópolis Felipe Carneiro/Agencia RBS
Bruna Konder: "Estou doando para que minhas poesias e memórias passadas possam ser livres" Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

"Bom dia. Estou aqui distribuindo meu livro. Você gostaria?" Você gostaria que, em vez de contas de água, luz e internet chegassem em sua caixa de correio livros de poemas? Ou se no para-brisa do seu carro encontrasse uma obra literária e não panfletos publicitários? Decidida a desapegar-se da criação poética que desenvolveu entre os 19 e 23 anos, a jovem autora Bruna Konder resolveu distribuí-la pela cidade.

A iniciativa, tão poética quanto o modo como ela percebe a vida e escreve, mobilizou alguns amigos de Florianópolis que a ajudam a doar os volumes de Luxuriosa Catarse, livro de poemas, microcontos e desabafos publicado em 2012 pela editora Bernúncia. Formada em Cinema, Bruna é de uma família com tradição literária. É sócia de uma produtora de videoarte e publica textos em um blog, o Redoma de Cetim - quem assina é seu alterego, Carlota Violeta.

Foram impressos mil exemplares de sua obra. Parte foi vendida no lançamento, outra está disponível em livrarias, mas a escritora decidiu que estava na hora de dar continuidade ao projeto - como diz o ditado, um livro nunca está completo se não for lido.

- Estou doando para que minhas poesias e memórias passadas possam ser livres. É uma forma saudável de fazer uma limpeza em meu coração - diz a autora de 28 anos.

A distribuição começou dia 14 na região continental de Florianópolis. Já passou pela Trindade, Jardim Anchieta e Pantanal. Os próximos bairros são o Centro e os localizados nas praias da Ilha.

Neta da escritora e atriz Márcia Konder, Bruna é uma romântica à moda antiga, vive tão intensamente como a personagem de um texto do romantismo clássico. Ela experimenta a literatura tanto por meio do tradicional livro, quanto com a escrita na internet e a transformação das histórias em filme.

Na obra que hoje doa espontaneamente esmiúça com leve ironia detalhes dolorosos de sua trajetória - como os amores e desamores e a doença rara descoberta há poucos anos. Ela é portadora de distonia pré-parkinson, uma síndrome neurológica pouco comum em pessoas jovens.

:: Assista!
Um vídeo sobre poesia, criação e desapego. Imagens de Felipe Carneiro / Agência RBS.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.