Versão mobile

TRAGÉDIA EM SANTA MARIA

Bombeiros que inspecionaram a Kiss são inocentados na esfera administrativa

Militares também respondem processo na esfera criminal

12/03/2014 | 16h54

Quatro dos oito réus do processo da boate Kiss na Justiça Militar foram inocentados na esfera administrativa. O resultado do Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) foi anunciado ao final da audiência na Auditoria Militar que ocorreu na tarde desta quarta-feira.

Os bombeiros Marcos Vinícius Lopes Bastide, Gilson Martins Dias, Vagner Guimarães Coelho e Renan Severo Berleze são acusados de inobservância da lei, regulamento ou instrução porque, segundo denúncia do Ministério Público, as inspeções feitas na boate em 2011 registraram a necessidade da troca de mangueiras do gás, mas não mencionaram a necessidade de instalação de uma central de gás. Assim, eles deixaram de observar as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e o Decreto Estadual 37.380/1997 (que se refere à iluminação e à sinalização).

As condutas deles durante o período em que atuaram na Seção de Prevenção a Incêndios (SPI) do 4º Comando Regional de Bombeiros (4º CRB) também foi avaliada pelo Comando da Brigada Militar por meio de um PAD. O resultado aponta que, para a corporação, os militares agiram de acordo com a legislação e não incorreram em irregularidades administrativas. Bastide, Dias e Coelho faziam vistorias, enquanto Berleze atuava na análise dos Planos de Prevenção e Combate a Incêndios (PPCIs).

A decisão da corporação não tem relação com o processo criminal que tramita no judiciário, onde eles seguem sendo processados.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.