Versão mobile

Reforma ministerial

Dilma empossa seis novos ministros e fala dos desafios de 2014

Cinco dos seis ministros que deixam o cargo saem para se candidatar às eleições de outubro

Atualizada em 17/03/2014 | 15h5017/03/2014 | 12h24
Dilma empossa seis novos ministros e fala dos desafios de 2014 Marcelo Camargo/Agência Brasil
Presidente participa de cerimônia de posse em Brasília Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff empossou nesta segunda-feira seis novos ministros do governo, desejando "sorte" aos que deixam os ministérios e "muito trabalho" aos novos comandantes das pastas.

As mudanças ocorreram nos ministérios do Desenvolvimento Agrário, das Cidades, da Pesca e Aquicultura, da Ciência, Tecnologia e Inovação, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Turismo. Cinco dos seis ministros que deixam o cargo saem para se candidatar às eleições de outubro.

Saiba mais

Dilma anuncia a troca de seis ministros

— A esses parceiros de jornada que hoje se afastam do governo, desejo sorte e sabedoria para os nossos desafios. Dedico a cada um de vocês um sincero e caloroso muito obrigada. Vocês contribuíram para a construção e para a consolidação de um projeto de Brasil que propiciou algo raro: crescer e diminuir a desigualdade — disse Dilma.

Este ano, segundo a presidente, será de muitos desafios nas áreas assumidas pelos novos integrantes do governo.

— Queremos afirmar aqui que 2014 vai ser um ano de muitas realizações, na agropecuária, na agricultura familiar, no desenvolvimento da pesca, na melhoria da mobilidade urbana em nossas cidades, no estímulo à inovação tecnológica e à pesquisa científica, no acolhimento profissional e, ao mesmo tempo, caloroso dos turistas que vêm ao Brasil — listou.

Ele destacou que espera que as trajetórias e experiências de cada um dos novos ministros contribuam para a continuidade de ações do governo:

— Estou certa de que me ajudarão a fazer de 2014 um ano profícuo para o país.

O Ministério do Desenvolvimento Agrário, ocupado até então por Pepe Vargas, será assumido pelo ex-presidente da Petrobras Biocombustível Miguel Rossetto, que já ocupou a pasta no governo do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Na pasta das Cidades, o vice-presidente de Governo da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, substituirá o atual ministro Aguinaldo Ribeiro.

Clelio Campolina Diniz, reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), será o novo titular do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação no lugar de Marco Antonio Raupp. O senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) ocupará o da Pesca e Agricultura, conduzido por Marcelo Crivella, também senador do PRB fluminense.

Neri Geller, atualmente secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, será o substituto de Antônio Andrade na pasta. Para o lugar de Gastão Vieira no Ministério do Turismo, a presidenta anunciou o gerente de assessoria internacional do Serviço Brasileiro às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Vinicius Nobre Lages.

Pepe Vargas, Aguinaldo Ribeiro, Marcelo Crivella, Antônio Andrade e Gastão Vieira disputarão as eleições estaduais de outubro, e Marco Antônio Raupp deixa o governo para “assumir novos desafios profissionais”, segundo a presidente.

Há pouco mais de um mês, Dilma já havia feito troca de comando nos ministérios da Educação, da Saúde, da Secretaria de Comunicação, e da Casa Civil.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.