Versão mobile

Na próxima fase

Juventude fica no empate em 1 a 1 com o Aimoré e encara o Grêmio nas quartas de final do Gauchão

Sob forte calor, time alviverde oscilou muito e teve chances para sair com a vitória

16/03/2014 | 17h49
Juventude fica no empate em 1 a 1 com o Aimoré e encara o Grêmio nas quartas de final do Gauchão Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
O Juventude não conseguiu a primeira vitória fora de casa sob o comando de Roger Machado. Mas o empate em 1 a 1 contra o Aimoré foi o suficiente. O ponto conquistado em São Leopoldo garantiu o Juventude na quarta colocação do Grupo A.

>> Veja como foi o minuto a minuto da partida

Paulo César marcou para os donos da casa e Douglas empatou para o Ju. Na próxima fase, o time alviverde encara o Grêmio, na Arena, no próximo final de semana.



A primeira etapa no Cristo Rei teve o Juventude em momentos muito distintos. Nos primeiros 15 minutos, a equipe de Roger Machado foi dona das ações. Encontrava espaços no meio-campo e trocava passes com facilidade. Faltava o gol. Ele quase veio em finalização de Yann que Rafael espalmou.

Em chutes fracos de Jardel e Douglas, o Ju também perdeu a chance de abrir o placar. A partir dos 16, o Aimoré começou a ganhar terreno e levar perigo, especialmente pelas laterais. Na primeira chance, Toto ganhou de Mika e chutou cruzado, para fora.

A zaga do Juventude começou a vacilar e, em um dos momentos, Paulo César recebeu entre os zagueiros, aos 25, e abriu o placar. O time alviverde demorou a se recuperar. E só fez isso depois de empatar. Apagado no jogo, Jardel aparece de forma decisiva e cruzou para Douglas cabecear para o gol: 1 a 1.

O empate trouxe equilíbrio ao confronto. E o Juventude teve boa oportunidade para virar aos 40, quando a zaga do time mandante falhou e Julinho demorou demais para chutar.

No retorno do intervalo, as duas equipes mostraram pouca eficiência nos primeiros minutos. A marcação prevaleceu e tanto Aimoré como Juventude como conseguir produzir. A primeira chegada com perigo do Ju veio aos 25, em cabeçada de Zulu rente à trave.

O time alviverde teve a posse de bola, empilhou cobranças de escanteio, mas não conseguia traduzir o domínio em gols. Na melhor oportunidade, Rogerinho perdeu cara a cara com o goleiro, aos 43. Era a chance do Ju avançar para a terceira posição, o que ocasionaria o clássico Ca-Ju. Não deu. Mas, depois de tantas dificuldades, a classificação foi motivo de sobra para comemorar.
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.