Versão mobile

Homenagem

Propaganda com Neymar pode ser proibida por estimular bullying contra gringos no Brasil

Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Vereadores considerou o vídeo inoportuno em ano de Copa do Mundo

13/03/2014 | 19h18
Propaganda com Neymar pode ser proibida por estimular bullying contra gringos no Brasil Mowa Press/Divulgação
Ambec afirma que comercial já foi retirado do ar no último dia 11 Foto: Mowa Press / Divulgação
A propaganda "Papelzinho" do Guaraná Antárctica que é protagonizada por Neymar pode ser retirado do ar em breve. Foi aprovado na última quarta-feira, 12, pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara um requerimento que solicita ao Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) e à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República a proibição do comercial em que o jogador faz pegadinhas com estrangeiros.

No requerimento feito pelo deputado Marcos Rogério (PDT-RO), ele alega que a propaganda promove o bullying com estrangeiros no Brasil.

"Um jogador de futebol, respeitado no Brasil e no exterior, questionado por um turista sobre como pedir a bebida, ele ensina: um guaraná para o água de salsicha, um 'garrana' para o filhote de cruz credo. Ainda tem serra pelada e cão chupando manga... Fácil ver. Não se trata de apenas mais uma propaganda criativa. Trata-se da promoção do bullying, sua forma de praticá-lo, determinando inclusive seu público alvo: o turista em visita ao Brasil, no ano em que se realiza a Copa do Mundo", diz o texto do requerimento.

Já a Ambev afirma em comunicado oficial que não teve intenção de ofender ou discriminar quem quer que seja e lamenta que a brincadeira de Neymar com os amigos tenha sido mal interpretada por algumas pessoas. A empresa esclareceu ainda que a propaganda saiu do ar no dia 11 de março, de acordo com o plano de mídia aprovado pela fabricante.

Assista ao comercial que gerou a proibição

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.