Versão mobile

A educação precisa de respostas

Greve de professores deixa 85% dos estudantes de Urubici, na Serra de SC, sem aula e sem previsão de volta

Paralisação completa 17 dias com mais de 50% dos profissionais, que pedem reajuste salarial

Atualizada em 04/04/2014 | 12h3804/04/2014 | 12h37
A paralisação dos professores de Urubici, na Serra Catarinense, completou 17 dias nesta sexta-feira, e enquanto grevistas e prefeitura não se entendem, 85% dos estudantes da rede municipal continuam sem aulas e, pior, sem nenhuma previsão de quando voltarão às escolas.

A greve iniciou no dia 18 de março e, dos 160 professores, cerca de 90 continuavam de braços cruzados nesta sexta reivindicando aumento de salário. A prefeitura garante não ter como atender ao pedido neste momento e lamenta que, dos 1.008 alunos da rede municipal, 858 (todos os 529 do ensino fundamental e 329 da educação infantil) permanecem sem estudar. Só 150 crianças da educação infantil são atendidas por professores que não estão em greve.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Urubici (Sinsemu), Felipe Corrêa Bernardes, admite que os professores passaram a receber o piso nacional da categoria em janeiro, com um salário de R$ 919,30 para uma carga semanal de 20 horas/aula. Mas assim como todo trabalhador em qualquer lugar do mundo, eles desejam mais, e querem receber R$ 1.225 por 20 horas/aula e exatamente o dobro, R$ 2.450, por 40 horas/aula.

O presidente do sindicato diz ainda que, para acabar com a greve, os professores propuseram receber 8% de aumento sobre o atual salário, passando para R$ 992,84, mas a prefeitura teria negado. A segunda proposta dos professores foi receber os mesmos 8% de reajuste em quatro parcelas a serem pagas de setembro a dezembro deste ano, mas a administração municipal também teria recusado. A terceira e última proposta dos grevistas foi receber esses 8% mais a inflação de 2014 em janeiro de 2015, mas o Executivo não teria concordado novamente.

Prefeitura diz não ter dinheiro e teme atraso no calendário escolar

A secretária municipal da Educação, Patrícia de Souza Rodrigues, diz que a prefeitura explicou aos grevistas que, neste momento, não tem condições financeiras de conceder o aumento, ainda que considere justo e merecido. A secretária garante, porém, que todos os professores recebem 10% de gratificação por estarem em sala de aula, além do piso nacional obrigatório.

Patrícia adianta que o calendário letivo deste ano está comprometido pela greve e que será necessário repor as aulas durante as férias de julho, justamente em pleno inverno e quando estudantes e professores poderiam ficar em casa por alguns dias para se proteger do forte frio de Urubici.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.