Versão mobile

[Alt-Text]

Tributos

Governo adia aumento de imposto para cervejas, refrigerantes e refrescos

De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a alta deve entrar em vigor no mês de setembro

13/05/2014 | 15h59
Governo adia aumento de imposto para cervejas, refrigerantes e refrescos Renato Araújo,ABR/ABR
O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que o aumento dos tributos para bebidas deve entrar em vigor no mês de setembro Foto: Renato Araújo,ABR / ABR
O governo federal voltou atrás na decisão de aumentar impostos para as chamadas bebidas frias — cervejas, refrigerantes e refrescos — a partir de 1º de junho, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O ministro informou, nesta terça-feira, que a alta foi adiada por três meses e, portanto, entrará em vigor apenas em setembro. Além disso, o aumento das taxas será feito de forma escalonada. O ministro, entretanto, disse que ainda não está definido em quanto tempo ocorrerá o escalonamento.

Leia mais:
> Para compensar gastos com setor elétrico, governo pode aumentar imposto sobre a cerveja
> Governo aumenta tributação sobre bebidas
> Setor de bebidas frias vai repassar aumento do IPI para consumidor, diz indústria
> Com novo aumento nos impostos, bebidas podem subir 5% no atacado

Mantega se reuniu hoje com representantes do setor de bebidas. O ministro reconheceu que havia divergências na tabela de aumento dos tributos para bebidas frias e afirmou que ela será revista.

— Fizemos um pacto com o setor para não haver aumento durante a Copa. Será uma Copa sem aumento de preços — disse Mantega, em referência ao mundial, que começará em junho.

 — Temos preocupação para que a inflação permaneça sob controle — explicou. Além disso, segundo o ministro, foi firmado o compromisso de o setor continuar expandindo e não demitir.

Questionado sobre de que forma o governo compensaria o R$ 1,5 bilhão que deixará de ser arrecadado com o adiamento, Mantega não informou se o governo irá compensar com o aumento de outros tributos:

— Vamos refazer os cálculos e isso será acomodado.

No fim de abril, às vésperas da Copa do Mundo, a Receita Federal havia anunciado a elevação do imposto das bebidas frias, em busca de mais arrecadação. O novo aumento foi anunciado pelo secretário da Receita, Carlos Alberto Barreto, um mês depois de o governo ter feito um reajuste na tributação desses mesmos produtos. A alta entraria em vigor em 1º de junho. A expectativa era de que o aumento dos preços ao consumidor fosse de 2,25%, em média.

* Agência Estado
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.