Versão mobile

Blitz DG

Às vésperas das férias de inverno, faltam professores nas escolas da Capital

Alunos continuam sendo liberados antes do horário

14/07/2014 | 09h01
Às vésperas das férias de inverno, faltam professores nas escolas da Capital Luiz Armando Vaz/Agencia RBS
Foto: Luiz Armando Vaz / Agencia RBS

Quase cinco meses depois do início das aulas e às vésperas das férias de inverno, ainda há escolas estaduais de Porto Alegre que sofrem com a falta de professores. Na semana passada, o Diário Gaúcho consultou cem das 262 escolas estaduais da Capital e verificou que em 29 delas há alguma vaga em aberto. O levantamento apontou falta de 45 profissionais nas instituições contatadas.

Quando o professor não se divide em dois, os alunos são liberados mais cedo.

- Saio só segunda e sexta no horário certo - revela Larissa Baialardi, 11 anos, aluna da turma 64.

Sem professor de Português há dois meses, ela começa a se preocupar com o futuro. 

- Isso nos prejudica porque vamos chegar no sétimo ano sem saber o conteúdo do sexto.

Pelas escolas contatadas pelo DG, as séries iniciais são as mais afetadas. Dos 45 que estão em falta, 37% são de primeiro ao quarto ano. Entre as disciplinas, Português, Matemática e Geografia são as que têm maior demanda.

Diretora da Escola Alcides Cunha, Maguinória Beux, conta que 11 turmas são afetadas com a falta de professor de Português. Mas não é só isso: está sem um professor de Arte, Geografia e Química. No caso desta última, o professor de Física costuma substituir. Sem falar nas reclamações a respeito da falta de funcionários e monitores.

Entre quinta e sexta-feira, o Estado fez um mutirão para nomeação de 909 professores aprovados no concurso do magistério de 2013. Destes, 122 ficarão na Capital e devem chegar às escolas em até cinco dias após serem nomeados.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.