Versão mobile

Violência

Meninas contaram a delegado como foram estupradas em São Francisco de Assis

Homem de 55 anos está preso, suspeito dos crimes

23/07/2014 | 19h52

Um homem de 55 anos está preso em São Francisco de Assis, suspeito de ter praticado crimes sexuais contra uma criança e duas adolescentes. O suspeito foi levado para o Presídio Estadual de São Francisco de Assis, nesta terça-feira, em cumprimento a um mandado solicitado pelo Ministério Público devido a uma investigação da Polícia Civil.

Segundo o delegado André Pastoriza, tudo começou com uma ocorrência de violência doméstica em uma família.

— Tenho uma pequena convicção de que a lesão corporal que ocorreu naquele momento teve como motivação a descoberta da violência contra uma das vítimas — afirma Pastoriza.

De acordo com o delegado, os detalhes sobre os crimes e as vítimas são mantidos em sigilo para protegê-las e não expô-las ainda mais a constrangimentos, já que se trata de uma cidade pequena. Mas Pastoriza afirma que as famílias das vítimas ficaram surpresas com o rumo da investigação porque o suspeito era considerado uma pessoa tranquila e de confiança.

Depois de ouvir as três meninas que teriam sido vítimas de estupro, o delegado, que afirma que foi difícil ouvir relatos tão dramáticos vindo de uma criança e de duas adolescentes, conta que elas narraram com detalhes as violências sofridas.

A primeira menina a contar que tinha sido estuprada foi uma familiar do suspeito. Ela afirmou que não havia sido a única a ser violentada e, a partir disso, a polícia começou a investigar quem seriam as outras vítimas.

— Ele teria induzido as vítimas a terem atos libidinosos. Houve atos violentos mesmo sem penetração. Foi triste ouvir o modo como o suspeito teria se utilizado da inocência delas para conquistar suas confianças, chantageá-las e ludibriá-las — diz o delegado.

Em seu depoimento, o suspeito preferiu permanecer em silêncio. A Polícia Civil não teve autorização para informar à imprensa quem é o advogado dele. Foram solicitados exames de corpo delito e conjunção carnal das meninas. As três estão recebendo acompanhamento psicológico.

De acordo com Pastoriza, a investigação ainda não está concluída. Mas, segundo as provas testemunhais, o suspeito deve ser indiciado por estupro de vulnerável da menina de 10 anos e por estupro das adolescentes de 14. Se somados, os crimes podem chegar a mais de 20 anos de prisão.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.