Versão mobile

Opinião

Moisés Mendes: a Copa, a ressaca e os sabiás

O colunista escreve às terças e sextas-feiras em ZH

15/07/2014 | 05h03

O fim da Copa nos devolve à fantasia, ao devaneio e ao sonho. Foi o que me disse seu Mercio, guarda de rua da Aberta dos Morros, nos fundões da zona sul de Porto Alegre. Vivemos um mês de dura realidade. Ninguém aguentava mais.

É preciso relaxar e voltar a sonhar um pouco, fugir daquele ambiente pesado de vitórias no sufoco, de pênaltis, de patriotismo exacerbado, do Fred, da choradeira, dos 7 a 1, dos 3 a 0. A partir de agora, só leveza.

Podemos, sim, escapar do mundo real e voltar a sorrir, me disse seu Mercio. Ele defende que se fique um mês sem futebol e sem telão. Para desintoxicar.

Os times brasileiros ficariam só treinando e alguém tentaria fazer um gol parecido com aquele do alemão Götze na final contra a Argentina. Alguém há de conseguir. Talvez até o Barcos.

***

Outra tese de seu Mercio: ninguém deve chorar mais em lugares públicos. A realidade crua da Copa nos fez chorar demais e nos esgotou emocionalmente.

Vamos voltar a chorar apenas em espaços fechados, para treinar, até porque agora não tem mais telão. Cada um chora quando quiser (seu Mercio é chorão, mas só fora das Copas), desde que seja pelos cantos.

Choros convulsivos, para que os outros apreciem, só na Olimpíada de 2016, quando o comitê olímpico irá liberar a cena de um choro a cada 10 segundos nos telões (a Fifa permitia um choro a cada 25 segundos). E não desperdice choro no Campeonato Brasileiro.

Mas faça choro ensaiado. Evite o choro padrão Fifa tipo Thiago Silva, com olhares constantes para o telão. Seu Mercio gostaria de ver os brasileiros chorando como o Schweinsteiger, que chora como joga, com sutileza, com a lágrima certa, sem exageros.

***

Depois da Copa, poderiam acabar com as palestras de autoajuda de gente do futebol. A não ser que surjam abordagens extremamente criativas sobre superação.

Seu Mercio imagina Felipão ensinando como erguer a cabeça depois de levar cinco. E erguer de novo e levar seis. E, quando tentar reerguer, levar sete. E mesmo assim continuar erguendo e, quatro dias depois, levar mais três.

E contar como se ergue a cabeça e se mantém a cabeça erguida tendo o Fred de centroavante, o Murtosa ao lado e o Parreira lendo cartinha de fã.

Por fim, seu Mercio acha que técnico da Seleção não pode ser fã de ditador. É dose ter um técnico que adorava Pinochet, como exemplo de ordem e determinação, e tomou sete com todo mundo chorando. E ainda disse que é preciso ver o lado positivo.

***

Que Copa cruel, me disse seu Mercio. Em tom quase paternal, ele me recomendou: fuja um pouco dessa realidade, não pense no que passou. Se nunca antes se chorou tanto, é porque a Copa estava nos maltratando. Vamos sonhar e sorrir bem longe do Fred, do Felipão e dos alemães.

Nós merecemos, suspirou seu Mercio. Depois, olhou para um sabiá ciscando na grama e me consolou: pense no que importa, pense que daqui a pouco os sabiás estarão cantando de novo.

Leia outras colunas de Moisés Mendes

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.