Versão mobile

Alimentação

Sim! é possível fazer seu filho comer alimentos saudáveis

13/07/2014 | 20h54

Não há aviãozinho que dê jeito na cara feia para o feijão ou no nariz torcido para o brócolis? Se você enfrenta dificuldades para que seu filho consuma alimentos saudáveis, não desista! Parte da solução pode ser envolvê-lo no preparo das comidas ou apresentar os pratos de uma forma mais divertida. O que não dá é para abandonar o desafio de incluir na dieta deles o que é importante para a saúde.

_ A criança rejeita novos alimentos, principalmente até o 6 anos. Ela só come aquilo que lhe é familiar. Se, nesse período, ela se acostumou apenas com arroz, feijão e carne, não vai querer outro prato _ afirma a professora de nutrição infantil da Universidade Federal do Paraná Claudia Bettega de Almeida.

A formação do paladar infantil começa aos 6 meses, quando a criança deixa a exclusividade do leite materno e passa a conhecer outros alimentos. Nutricionista infantil de Santa Maria, Camila Lehnhart Vargas afirma que é importante que os pais não caiam na tentação de oferecer alimentos industrializados, com muito açúcar e sal, nessa fase da vida. Por quê? Para que as crianças não se acostumem a comer esses alimentos.

_ Bom exemplo familiar também é muito importante. Se desde cedo a criança perceber que a família come verduras, legumes e frutas no dia a dia, vai considerar isso normal e inserir o hábito em sua dieta sem nem perceber _ afirma Camila.

Pratos bem coloridos e com
desenhos despertam o interesse

Deixar o prato bem colorido ou criar algum desenho especial são alternativas que ajudam a chamar a atenção, especialmente dos menores de 6 anos. Se você quer dicas, dá uma olhada nas fotos desta reportagem, feitas pela fotógrafa canadense Jill Dubiens, especialistas em pratos divertidos e saudáveis.

_ O mundo imaginário da criança é muito rico. Sempre coloque algo da cor verde escura, laranja e amarela, que são as principais fontes de vitamina A e C, fundamentais para o desenvolvimento _ sugere a professora de nutrição paulista Norka González.

_ Um prato bem colorido é o segredo _ completa a nutricionista Carmen Lígia da Rocha, de Santa Maria.

A professora de Cacequi Gabriela Lunardi Bilibio, 32 anos, bem sabe disso. Para ela, a alimentação do filho Augusto, 5 anos, é coisa séria. Sua técnica é inventar histórias com os alimentos.

_ Aqui, tem duas ilhas de arroz rodeadas de árvores de alface, um oceano de caldo de feijão e um tubarão de carne _ diz a mamãe ao pequeno, que não deixa nenhum personagem da fantástica ilha no prato.

Deixe seu filho escolher o
que ele quer experimentar

Segundo as nutricionistas, incluir as crianças no dia a dia da cozinha e deixá-las escolher frutas e legumes que prefiram pode despertar o interesse em experimentar coisas novas.

_ Ela vai comer melhor quando vir o que escolheu na panela _ diz Claudia.
Deixar à disposição os alimentos que a criança rejeita é uma das táticas que as especialistas indicam. Seja no armário de fácil acesso ou mesmo no prato. Mesmo que a criança não coma logo de cara, em algum momento, vai ceder.  Aí, é importante que os pais mostrem como foi gostosa a experiência e apresentem alimentos que ela rejeita, sem forçar.

Cuidado! Esconder alimentos
pode ter efeito contrário

As especialistas alertam: cuidado com artifícios que podem causar mais dor de cabeça do que trazer soluções. Por exemplo, ao esconder a beterraba na massa da panqueca ou colocar o tomate no meio da carne, os pais devem cuidar para não deixar resquícios.
_ Sempre é melhor negociar com a criança, pois uma vez descoberto o alimento escondido, a chance de rejeitá-lo para sempre é maior. A melhor forma de inserir sem que se perceba é em uma sopa, vitaminas ou recheios de massas, sempre junto a alimentos que a criança tenha preferência _ sugere a nutricionista Flávia Sguario.

Mas e não dá para liberar, nunquinha, um chocolate, um sorvete ou aquele doce que a criança tanto quer?

_ O melhor é que fique claro para a criança que esse tipo de alimento só será oferecido em momentos especiais, como festas e finais de semana. Só não vale transformar a exceção em rotina _ orienta Camila Vargas. 

 

Comida na idade certa
Até os 6 meses
– Dê somente leite materno, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento

A partir dos 6 meses
– Introduza, de forma gradual, outros alimentos
– No início, a criança pode rejeitar, porque tudo para ela é novidade (a colher, o sabor e a consistência do alimento)
– Mantenha o leite materno até os 2 anos ou mais
– Nessa fase, é necessário oferecer água tratada, filtrada e fervida, nos intervalos das refeições
– A criança pode comer duas papas de frutas e uma papa salgada. Ao completar 7 meses: duas papas de frutas e duas papas salgadas. A papa salgada deve conter um alimento de cada grupo: legumes e/ou verduras, cereal ou tubérculo, feijões e carne (poder ser substituída por vísceras ou ovo)
– Aos 8 meses, a criança já pode receber a alimentação básica da família desde que não sejam alimentos com muito tempero, industrializados e gordurosos
– O importante é ter uma dieta balanceada, que inclua de tudo

Fique atento
– Não deixe a criança experimentar doces e refrigerantes nos primeiros anos de vida
– Leia o rótulo dos alimentos para evitar muitos aditivos e conservantes artificiais
– Não castigue ou ofereça prêmios para a criança que não comeu a quantidade considerada necessária
– Ofereça à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida
– Ofereça duas frutas diferentes por dia, selecionando as frutas da estação principalmente as ricas em vitamina A (de coloração amarela ou alaranjada)
– Para que o ferro presente nos vegetais folhosos e no feijão seja melhor absorvido pelo organismo, associe um alimento rico em vitamina C (exemplo: limão, acerola, tomate, goiaba, laranja) ou carnes
– Sempre ofereça carne e peixe nas refeições. Uma vez na semana, vísceras ou miúdos são uma boa pedida, pois são boas fontes de ferro
– Se a criança recusar um alimento, ofereça novamente em outras refeições. Para aceitar um novo alimento, ela precisa experimentá-lo de oito a 10 vezes

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.