Versão mobile

Graduação pública

UFSC em Araranguá, no Sul de SC, terá 60 vagas em Medicina a partir de 2016

Governo ainda avalia criação mais 60 vagas em Florianópolis e 30 em Curitibanos

14/07/2014 | 21h17
Cursar Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) é uma batalha para poucos vencedores, cada uma das 100 vagas é disputada por 104 alunos.

A boa notícia é que será aberto mais um curso no campus Araranguá, para 60 estudantes, e há ainda possibilidade de mais 60 vagas em Florianópolis e outras 30 em Curitibanos, que ainda estão sendo analisadas – assim, a corrida por um lugar no curso ficará menos acirrada.

Apesar do projeto pedagógico ser diferente de Florianópolis, o campus de Araranguá priorizará a saúde pública às especialidades. O estudo será voltado para a família, a conscientização da prevenção, e o atendimento local, afirma o diretor-geral do campus Araranguá, Paulo César Leite Esteves.

A iniciativa integra o plano de expansão do programa Mais Médicos, elaborado pelo Ministério da Educação (MEC), e incluiu a UFSC numa tentativa de fortalecer a rede de saúde da região de Araranguá. A ideia é que haja um fortalecimento no Programa de Estratégia Saúde da Família na cidade e nos atendimentos do hospital e do posto clínico.

A população do Sul de Santa Catarina comemora. O Hospital Regional é utilizado por cidades catarinenses e também do Norte e do Nordeste do Rio Grande do Sul. Já a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) trata mensalmente mais de 4 mil pessoas. A reitora Roselane Neckel diz que15 municípios com baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) dependem do hospital. Já Esteves diz que o novo curso é uma demanda da comunidade:

— Quando nasceu este campus, em agosto de 2009, nasceu a luta para trazer o curso de Medicina para cá. Foram anos de trabalho junto ao MEC, às lideranças políticas e à sociedade civil organizada. A cidade está feliz com a notícia. Houve carreata e ampla cobertura da imprensa local, o que criou um momento muito importante para a UFSC no Sul do Estado — afirmou Esteves.

Em Araranguá, o curso de Medicina será o quinto do campus, onde estudam mil pessoas. O programa prevê investimentos financeiros e humanos, a contratação de 60 professores e 30 técnico-administrativos, ampliação do restaurante, da biblioteca e da moradia estudantil. O investimento será de R$ 72 milhões.

Novas vagas em Curitibanos e Florianópolis estão em discussão

Ainda está em discussão, mas é possível que 30 vagas sejam abertas em Curitibanos. Uma comissão técnica analisa a infraestrutura do campus. Também se estuda a criação de mais 60 vagas no campus Florianópolis. Se for aceito, 40 docentes e 30 técnico-administrativos em Educação serão contratados.

O assunto será melhor planejado e ainda é recebido com desconfiança pelo diretor do Centro de Ciências da Saúde, Sérgio Freitas, em Florianópolis.

— A estrutura do Hospital Universitário não é suficiente para o número atual de estudantes. Nossa estimativa é que hoje cada aluno de primeiro ano atenda 2,5 leitos no HU, que hoje possui 250 leitos. Seria necessário aumentar a capacidade para 400 leitos para que a demanda de mais alunos fosse atendida. O ideal seria ampliar o hospital, seu espaço físico, o número de médicos, professores e técnico-administrativos.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.