Versão mobile

Transporte metropolitano

Blitz nas 22 estações de trem aponta falhas em elevadores e escadas rolantes

A Reportagem percorreu todas plataformas de trem para verificar como está acessibilidade do transporte utilizado por 185,2 mil pessoas todos os dias

15/08/2014 | 07h23
Blitz nas 22 estações de trem aponta falhas em elevadores e escadas rolantes Marcelo Oliveira/Agencia RBS
Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS

O passageiro da Trensurb que tem dificuldade de locomoção encontra obstáculos para ir e vir na maioria das estações de trem que ligam a Região Metropolitana a Capital do Estado. Na quarta-feira, o DG foi em cada uma das 22 estações da Trensurb partindo do Mercado até Novo Hamburgo para testar a acessibilidade do sistema ferroviário utilizado diariamente por 185,2 mil pessoas.
Metade das 22 estações não tem elevadores, algo fundamental para a locomoção de cadeirantes. Além disso, nas estação Canoas e Mathias Velho, os elevadores existentes estão parados e em manutenção. Entre as últimas inauguradas, a Santo Afonso, em Novo Hamburgo, está com os dois elevadores desativados.
Outras nove estações não têm escadas rolantes para desembarque. A estação Petrobrás, em Canoas, sequer possui o equipamento. Na estação Unisinos, as duas escadas rolantes estão desligadas. Também há escadas móveis desligadas nas estações Canoas e São Leopoldo.

Uma rotina de percalços

Estas situações se tornam percalços diários para o vendedor de salgados da estação Canoas, Luiz Loeblein, 55 anos. Para trabalhar, ele vem de Sapucaia do Sul de trem e caminha com a ajuda de muletas. Em função de um derrame sofrido há 20 anos, o lado esquerdo do corpo ficou comprometido.
– Subir a escada (fixa) é o pior e também tenho medo de descer na escada rolante com muleta. Mas o elevador não está funcionando, aí tenho que subir – lamenta.
Com o neto Rafael no colo – o menino tem um ano e quatro meses e pesa 12 quilos – a comerciante Claudete Hartmann, 58 anos, desembarcou na manhã de quarta-feira na estação Rodoviária reclamando do esforço físico que a escada exige. Na estação em que 13,2 mil pessoas circulam por dia – muitas delas com malas –, não há escada rolante para o desembarque.
– Cansei de reclamar, de pedir e de falar com eles, mas diziam que estavam fazendo em outras estações e que mais tarde teria.  Por ser a estação da rodoviária deveria ter mais condição pelo número de pessoas que entra e sai – opina.

As melhores

Entre as estações que lideram o ranking de mobilidade na avaliação do DG, estão a São Pedro – tem escada rolante para embarque e desembarque e elevador – Rio dos Sinos (em São Leopoldo), Industrial, Fenac e Novo Hamburgo (em Novo Hamburgo), estas últimas recém inauguradas.

COMO ESTÁ A SITUAÇÃO
Mercado

Como está: tem duas escadas rolantes no embarque e uma no desembarque que dá acesso ao Mercado Público. Há outras cinco escadas fixas e duas plataformas elevatórias para pessoas com dificuldade de locomoção.

Rodoviária
Como está: há duas escadas fixas para desembarque. Há uma escada rolante para embarque, mas não há escada rolante para desembarque, justamente na estação em que dá acesso a rodoviária.  
O que diz a Trensurb: a estação está passando por obras de modernização e acessibilidade que incluem instalação um elevador para acesso à plataforma. Será instalado outro elevador também para acesso ao túnel na esquina da Rua da Conceição com a Avenida Júlio de Castilhos que devem estar em funcionamento em até 60 dias. As obras na Estação Rodoviária também incluem a instalação de plataforma elevatória de percurso inclinado para acesso de pessoas em cadeira de rodas ao saguão da estação.

São Pedro
Como está: é uma das melhores estações em termos de acessibilidade. Há uma escada rolante para embarque e outra para desembarque. Além de uma escada fixa e elevador.

Farrapos
Como está: há placa indicando acessibilidade para cadeirantes mas não há elevador. A escada rolante serve apenas para embarque. Há duas escadas fixas.
O que diz a Trensurb: deve ser instalado elevador para acesso à plataforma.

Aeroporto
Como está: há escada rolante para desembarque mas não para o embarque. Passageiros que chegam com malas podem usar o elevador. Há duas escadas fixas.

Anchieta
Como está: escada rolante é apenas para desembarque. Há duas escadas fixas. Não tem elevador.
O que diz a Trensurb: há um projeto executivo para execução de obras de acessibilidade que preveem a instalação de elevadores.

Niterói
Como está: há escada rolante para embarque e desembarque. Tem uma escada fixa, mas não tem elevador.
O que diz a Trensurb: deve ganhar um elevador.

Fátima
Como está: possui escada rolante no embarque e uma escada fixa. Não tem elevador.
O que diz a Trensurb: deve ganhar um elevador.

Canoas
Como está: tem duas escadas fixas e uma rolante para embarque.  A escada rolante de desembarque está em manutenção e o elevador desativado.
O que diz a Trensurb: aguarda o fornecimento de peças de reposição necessárias ao conserto, porém ainda não há como definir um prazo para que volte a operar. O elevador está com problema elétrico que é avaliado pelas equipes de manutenção para identificação de suas causas.

Mathias Velho
Como está: há uma escada fixa. Uma rolante para embarque e uma rolante para desembarque e um elevador parado.
O que diz a Trensurb: O elevador está no projeto de atualização tecnológica e adequação com previsão de conclusão em até 40 dias

São Luís
Como está: possui duas escadas fixas e escada rolante só no desembarque.

Petrobrás
Como está: três escadas fixas. Nenhuma escada rolante, nem elevador. Uma das estações mais restritas em termos de acessibilidade.
O que diz a Trensurb: deve ganhar um elevador.

Esteio
Como está: tem escada rolante no desembarque e duas escadas fixa. Sem elevador.
O que diz a Trensurb: Obra de modernização inclui projeto de instalação de um elevador na Estação Esteio.

Luiz Pasteur
Como está: duas escadas fixas e uma rolante pra desembarque.
O que diz a Trensurb: há previsão de instalação de elevador.

Sapucaia do Sul
Como está: há duas escadas rolantes e uma fixa.
O que diz a Trensurb: há previsão de instalação de elevador.

Unisinos
Como está: é a única estação que tem duas escadas rolantes desligadas. Há uma escada fixa e um elevador. Também há piso tátil, o que auxilia o deslocamento de pessoas com deficiência visual.
O que diz a Trensurb: a escada rolante foi desativada por questão de segurança por apresentarem extenso desgaste. O elevador está passando por adequação.

São Leopoldo
Como está: possui uma escada fixa e uma escada rolante desligada. O elevador funciona. Há piso táctil. Mãos de trinta degraus.
O que diz a Trensurb: escada rolante foi desativada por questão de segurança. Já está recebendo duas novas escadas. No momento, estão sendo realizadas obras civis para possibilitar a instalação dessas duas escadas rolantes adicionais na Estação São Leopoldo - uma para cada plataforma, necessárias uma vez que a estação em questão deixou de ser terminal a partir da expansão da linha até Novo Hamburgo

Rio dos Sinos
Como está: há quatro escadas rolantes funcionando e duas fixas. Tem dois elevadores.

Santo Afonso
Como está: os dois elevadores estão desligados. Tem quatro escadas rolantes – para embarque e desembarque – e quatro escadas fixas.
O que diz a Trensurb: Os elevadores têm condições de operação, porém aguardam laudo de liberação do corpo de bombeiros, também sem prazo de emissão.

Industrial
Como está: tem duas escadas rolante só para embarque. Tem escada fixa e dois elevadores.

Fenac
Como está: tem duas escadas rolantes para embarque e duas escadas fixas. Tem quatro elevadores.

Novo Hamburgo
Como está: possui uma escada rolante para desembarque e outra para o embarque. Tem duas escadas fixas e três elevadores.

Leia mais notícias no Diário Gaúcho

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.