Versão mobile

Opinião

Paulo Sant'Ana: "Ah, quem me dera acertar uma Mega Sena acumulada!"

02/08/2014 | 03h16
Quando, na última quarta-feira, a Rádio Gaúcha anunciou que a Mega Sena havia saído para um só apostador e que ele era de Porto Alegre, fiquei tenso. Afinal, eu tinha feito cinco apostas na Mega Sena. E o prêmio foi de R$ 29 milhões.

Fui conferir devagarzinho, e mais uma vez a decepção me atingiu: não era eu o ganhador.

O ganhador porto-alegrense, por sinal, ficou até hoje na moita, não se sabe quem ele é, a não ser que, igual a milhares de apostadores, ele não tenha conferido e, ganhador do prêmio, nunca o receberá.

É muito triste uma pessoa ganhar na Mega Sena e não conferir o prêmio, deixando-o abandonado para a Caixa Econômica. Desolador.

Já deixei uma fortuna na Mega Sena, errei sempre, a não ser uma vez em que acertei quatro das seis dezenas sorteadas e recebi de prêmio R$ 4 mil. Foi uma solenidade. Não pagavam tal prêmio nas agências lotéricas, tive de recebê-lo na Caixa Federal.

Foi uma festa. Maior teria sido se, em vez de quatro dezenas, eu tivesse acertado cinco, ganharia R$ 50 mil. Isso é que seria uma festa.

Só existe uma tragédia pior do que todas as outras: é acertar na Mega Sena e perder por qualquer lugar em que se ande o comprovante da aposta. Nesse caso, o suicídio é um dever.

Existem cerca de 10 modalidades de apostas bancadas todas pela Caixa Econômica Federal.

Sem dúvida, a mais atraente entre elas é a Mega Sena, que, pelo sistema de mais dificuldade para acertar, são seis dezenas. Na Quina, por exemplo, são só cinco dezenas, saem acertadores em quase todas as extrações. Na Mega Sena, ao contrário, são seis dezenas, e quase sempre não tem acertador, o que acumula o prêmio para a extração seguinte.

Já houve prêmio acumulado da Mega Sena que pagou quase R$ 200 milhões, uma bolada para fazer o ganhador ir morar para sempre na cidade dos meus sonhos, Nova York.

E esbanjar para sempre a fortuna conquistada.

Ah, quem me dera acertar uma Mega Sena acumulada! Não sei se seria excessivamente feliz ou me seriam criados problemas que infernizariam a minha vida. Mas que inferno bom seria a minha vida.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.