Versão mobile

Investigação

Quadrilha do Paraná é suspeita de assaltar banco em Santa Cecília

Ladrões levaram pelo menos R$ 1 milhão em ataque na Serra catarinense.

06/08/2014 | 19h12

Os integrantes da quadrilha que assaltou o Banco do Brasil em Santa Cecília, na Serra catarinense, há cinco dias, podem ser do Paraná. Eles levaram pelo menos R$ 1 milhão do cofre da agência. Um retrato falado de um dos criminosos que foi visto sem a touca será produzido.

A suspeita é de policiais civis mobilizados para investigar a ação dos criminosos, que foi considerada inédita pelo grande número de reféns na frente do banco no momento do ataque.

A investigação envolve policiais civis de Santa Cecília e da Divisão de Furtos e Roubos da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), de Florianópolis.

De acordo com o delegado de Santa Cecília, Evandro Abreu, a polícia ainda não sabe o valor total levado pelos assaltantes, mas suspeita-se que seja algo em torno de R$ 1 milhão.

A localização de um Gol com placas do Paraná, veículo que a quadrilha teria se deslocado a cidade catarinense, é um dos motivos que leva a polícia a desconfiar que o bando seja do estado vizinho.

Segundo o delegado da Deic, Anselmo Cruz, não é comum em Santa Catarina assaltos a bancos com grande número de reféns na frente do banco durante a execução do crime, outra razão para a polícia suspeitar que uma quadrilha especializada e formada por criminosos de outro Estado tenha agido na Serra.

.:: Assaltantes trocam tiros com a polícia e levam refém na Serra de SC


Câmeras de segurança registraram a ação dos assaltantes. Foto: Reprodução

 
Foto do assalto que circulou no Whatsapp

Notícias Relacionadas

Crime 01/08/2014 | 11h38

Assaltantes de banco trocam tiros com a polícia e levam refém na Serra de SC

Quadrilha armada com fuzis praticou o crime no fim da manhã desta sexta-feira em Santa Cecília

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.