Versão mobile

Velha senhora

Grupo faz campanha para reformar plataforma de Atlântida, danificada após ressaca de 2016

As avarias foram concentradas no braço norte, que teve as muretas de proteção derrubadas e a ligação com a parte principal prejudicada

Por: Camila Kosachenco - de Tramandaí
02/02/2017 - 09h45min | Atualizada em 02/02/2017 - 09h45min

Há quase 20 anos, um dos cartões postais da praia de Atlântida, em Xangri-lá, sofreu o primeiro abalo. Era maio de 1997 quando uma ressaca no mar derrubou o braço sul da plataforma de pesca, que, antigamente, tinha forma de "T". Restos da estrutura podem ser vistos até hoje no local em dias de maré baixa e água limpa.

Passados mais de 19 anos do primeiro problema, a construção foi danificada novamente. Desta vez, com outra forte ressaca que atingiu o Litoral Norte no dia 28 de outubro de 2016. Nesse dia, a água avançou por toda a faixa de areia e as ondas chegaram a três metros de altura. 

As avarias foram concentradas no braço norte, que teve as muretas de proteção derrubadas e a ligação com a parte principal prejudicada. Desde então, o trecho restante foi interditado pela Associação dos Usuários da Plataforma Marítima da Atlântida (Asuplama) por questões de segurança.

Para recuperar a plataforma, que é aberta ao público e conta com 300 associados em dia, a Asuplama encomendou três laudos técnicos que garantem a conservação da estrutura principal, necessitando apenas de reparos. No entanto, os valores da obra ainda assustam a diretoria da associação. De acordo com diretor desportivo e conselheiro ,Thiago Barata, os orçamentos devem chegar na casa dos R$ 200 mil.

Leia mais:
Xis de pastel, pizza em cone: alguns lanches "diferentões" do Litoral Norte
Isolamento e calmaria: conheça mais sobre o Litoral do Meio
Casal completa 70 anos de casamento com festa na praia

Sem condições de bancar a reforma sozinha, a entidade buscou ajuda dos órgãos públicos.

— A prefeitura de Xangri-lá diz não ter verba para o auxílio na recuperação — afirma Barata.

O tema dá brecha para uma ampla discussão, afinal, trata-se de um lugar privado, situado em área da Marinha, o que isentaria a prefeitura e até mesmo o Estado de investir no local.

— É uma estrutura privada em uma área pública, mas o município usa e divulga a plataforma como ponto turístico. Eles não podem se omitir — reclama o advogado e membro do conselho deliberativo Carlos Eduardo Acunha Corrêa, citando que a contracapa do carnê de IPTU de Xangri-lá leva uma foto da plataforma.

Conforme a Associação, a prefeitura não está interessada na causa, afirmação que é rebatida pelo vice-prefeito Érico de Souza Jardim. Segundo ele, o município tem participado de todas as reuniões organizadas junto a autoridades para analisar como é possível ajudar na recuperação da estrutura.

— Verba municipal não tem como agora, mas estamos interessados em ajudar e não vamos medir esforços para recuperar a plataforma — garante o vice.

Na busca de uma saída mais rápida para solucionar o impasse, a Asuplama tem investido em campanhas junto aos associados para arrecadar fundos que banquem a reforma. O grupo também procura investimento de patrocinadores, como em anos anteriores, que exponham suas marcas em placas ao longo da plataforma.

Sonho americano no Litoral Norte

Construída há 47 anos, a "velha senhora", como é chamada, faz parte de um restrito rol de plataformas de pesca existentes no Brasil. São apenas seis em todo o território nacional, sendo que três ficam em solo gaúcho: Atlântida, Tramandaí e Cidreira.

Conforme Celso Filippini, presidente do conselho deliberativo da Asuplama, a estrutura foi erguida em 1970 por um empresário que tinha muitas terras na região. Depois de voltar de uma viagem dos Estados Unidos, ele decidiu fazer a obra, desconsiderando a hostilidade do nosso mar.

Com vida útil estimada em apenas 30 anos, a "senhora" tem sobrevivido às ressacas do litoral gaúcho. Depois da queda do braço sul, a estrutura foi reforçada e a segurança garantida. Quase 20 anos depois, a Associação, que administra o local desde 1975, luta para manter vivo o principal atrativo do município e o ponto de encontro e lazer dos pescadores.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.