Versão mobile

Articulação

Lula teria encontrado Temer para discutir impeachment um dia após "reunião" de Cunha

Após reunir-se com Joesley Batista e o ex-presidente da Câmara, o petista teria apelado ao então mandatário do PMDB pela permanência do partido no governo Dilma Rousseff 

Por: Estadão Conteúdo
21/06/2017 - 08h44min | Atualizada em 21/06/2017 - 09h59min
Lula teria encontrado Temer para discutir impeachment um dia após "reunião" de Cunha Montagem/Instituto Lula e Agência PT
Foto: Montagem / Instituto Lula e Agência PT  

A data que o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz ter se reunido com o ex-presidente Lula e o empresário Joesley Batista para discutir o impeachment coincide com o momento em que a então presidente Dilma Rousseff, com a ajuda do antecessor, tentava a todo custo manter o PMDB no governo, considerado naquele momento um fiel da balança.

O encontro, não confirmado nem por Lula nem por Joesley, teria acontecido a três dias da reunião em que o Diretório Nacional peemedebista decidiu pelo desembarque e apoio ao impeachment.

Na carta escrita da prisão e divulgada na segunda-feira (19), Cunha disse que a reunião com Lula e Joesley ocorreu na casa do empresário, em São Paulo, em 26 de março de 2016. Naquele dia, Lula não teve agenda pública. Mas, no dia seguinte, um domingo, ele teria se encontrado em São Paulo com o então vice Michel Temer, que na ocasião também era presidente nacional do PMDB, para tentar adiar a decisão.

Leia mais
Cunha diz que se reuniu com Lula e Joesley para discutir impeachment
MPF denuncia Cunha e Alves por corrupção e lavagem de dinheiro
Segundo defesa, OAS não tinha poder para dar triplex a Lula

Temer, que havia cancelado uma viagem que faria naquele fim de semana a Portugal para intensificar as articulações no partido, disse a Lula que o rompimento era inevitável, ainda mais depois que Dilma nomeou o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) para a Secretaria da Aviação Civil. A nomeação passava por cima da moção aprovada pelo partido, proibindo nomeações no governo.

Em nota, Joesley afirmou que a carta de Cunha atribui a ele afirmações que nunca fez. 

"O empresário reafirma que destacou dois encontros com o ex-presidente Lula, um em 2006, quando assumiu o comando da empresa, e outro em 2013. A partir de então, como já relatado por ele, não apenas esteve em outras ocasiões com o ex-presidente Lula como também intermediou encontros de dirigentes do PT com Eduardo Cunha." 

O Instituto Lula disse que não iria comentar o assunto.

Leia mais notícias de Política

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.