Curiosidade

Almanaque Gaúcho relembra palavras que caíram em desuso

Confira algumas expressões que eram utilizadas nas manchetes dos jornais de décadas atrás

Por: Zero Hora
13/01/2017 - 05h03min | Atualizada em 16/01/2017 - 11h26min

Quem é das gerações Y e Z (menos de 30 anos), provavelmente, ficará sem entender palavras que, poucas décadas atrás, eram de uso corriqueiro e saíam até nas manchetes dos jornais. 

Capa de Zero Hora em 31 de dezembro de 1966, sobre aumento salarial do funcionalismo Foto: Reprodução / Agência RBS

Hoje, estão nos dicionários, mas caíram em desuso. Alguns poucos exemplos: barnabé (funcionário público), culex (pernilongo), completo (prato servido em restaurantes populares), tento (gol), carro de praça (táxi), nosocômio (hospital), facultativo (médico), convescote (piquenique), espiriteira (pequeno fogareiro), pena (torneira), baratilho (pequeno estabelecimento comercial), venda (armazém), corpinho (sutiã), carpim (meia), tramela/taramela (tranca de porta), ruge (para dar cor ao rosto), rapé (tabaco em pó para cheirar), floreado (estampado), caixeiro (balconista), mascate (mercador ambulante), flit/detefon (marcas de inseticida).

Leia outras colunas do Almanaque Gaúcho


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.