O caminho para 2016

Em ano de crise, o equilíbrio do agronegócio virá de fora

Agropecuária brasileira buscará compensar queda do consumo interno com aumento das exportações, valorizadas pela alta do dólar

29/12/2015 - 07h29min
Em ano de crise, o equilíbrio do agronegócio virá de fora Fábio Gomes/Especial
Em 2015, agronegócio representou 40% das exportações do Tecon, em Rio Grande Foto: Fábio Gomes / Especial

Acostumado com a bonança trazida pelas recentes marés de safras cheias, crédito farto e consumo aquecido, o agronegócio brasileiro se prepara para navegar em águas turvas em 2016. Com a economia retraída e com custos maiores de produção, a agropecuária tentará driblar a crise com a ajuda de um aliado que ganhou força nos últimos anos: o mercado externo.

De 2010 a 2015, as cifras em reais das exportações do agronegócio mais do que dobraram no Brasil, puxadas pela recente valorização do dólar. Em 2016, os embarques devem crescer 15%, chegando a R$ 333 bilhões, conforme o Ministério da Agricultura. A projeção de alta vem especialmente das carnes, que em 2015 comemorou a reabertura e a conquista de novos mercados, como China, Japão, Arábia Saudita, Irã e Iraque.

Somente a China habilitou 16 frigoríficos, dois deles no Estado: unidades da Marfrig em Alegrete e Bagé. E, para o primeiro semestre de 2016, é esperada a autorização de embarques de carne bovina in natura para o mercado americano.

– A exportação será o fator de equilíbrio em 2016 – indica Antônio Camardelli, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

A conquista de mercados faz a entidade apostar em recorde das exportações em 2016, superando os cerca de US$ 7,2 bilhões de 2014, chegando a US$ 8 bilhões.

Hoje, 80% da carne bovina produzida no país é consumida pelos próprios brasileiros, percentual próximo da carne suína, de 85%. Já o mercado doméstico responde por 70% da produção de frango.

– Os brasileiros são os principais consumidores da produção primária – lembra Antonio da Luz, economista-chefe do Sistema Farsul, que projeta uma redução de 5,4% no Produto Interno Bruto da agropecuária gaúcha em 2016.

Conforme Luz, haverá redução do consumo por conta do aumento do desemprego e do endividamento das famílias, além da alta na inflação e do crédito restrito.

– Mas, diferentemente do Brasil, o mundo está crescendo, o que faz das exportações o melhor caminho – completa Luz.

As esperanças com as exportações são alimentadas também pela cotação do dólar no câmbio brasileiro, que chegou a ultrapassar a barreira dos R$ 4 neste ano.

– É moeda forte que trazemos para o país em um cenário de retração doméstica. Precisamos ter janelas bem abertas ao Exterior – diz Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).



Operador do terminal de conteineres do porto de Rio Grande, por onde é exportada a produção de carnes industrializada do Estado, o Tecon registrou volumes maiores de embarques do agronegócio em 2015. O destaque foram as aves.

– O agro representou 40% das exportações via conteiner. Em 2016, a expectativa é que esse percentual seja ainda maior – indica Rodrigo Velho, gerente comercial do Tecon Rio Grande.

Apesar de ter fechado 2015 com aumento no consumo interno, os setores de aves e suínos não esperam repetir o resultado em 2016. Para Turra, o aumento deve ficar apenas com as exportações.

Em 2015, a China habilitou 32 unidades brasileiras de abates de aves e suínos. O potencial de aumento dosembarques da carne de frango in natura é de US$ 414 milhões ao ano e da suína de US$ 101 milhões, conforme o Ministério da Agricultura.

Também é esperado aumento dos negócios no setor de lácteos (US$ 78 milhões em 20 mil toneladas), que passou a acessar os maiores mercados mundiais: China, Rússia e Japão – responsáveis por 23,5% das importações do segmento em 2014.

Dependência do câmbio e do El Niño

Com crédito escasso e custos de produção 25% maiores em 2015, a agropecuária brasileira dependerá em grande parte da variação do dólar e da intensidade do El Niño no verão.

– Os outros fatores (crédito e custos de produção) já estão definidos. O que irá determinar o desempenho do agro em 2016 será o clima e a variação do câmbio daqui para frente – aponta Roberto Rodrigues, coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Caracterizado por chuvas intensas no Sul e estiagens prolongadas no Norte, o fenômeno já provocou transtornos no início da safra de grãos no país. Enquanto o Rio Grande do Sul sofreu com excesso de umidade na primavera, prejudicando as lavouras de trigo e de arroz, Estados como o Mato Grosso tiveram de replantar as lavouras de soja por falta de precipitação. Na área contábil, o produtor vem arcando com custos de produção 25% maiores, por conta da alta da moeda americana e de reajuste nas tarifas de energia elétrica e dos combustíveis.

Mesmo não sendo o mais animador dos cenários, o agronegócio está longe de passar por crise. Há chances de o país bater novo recorde na safra de grãos. Conforme o último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção brasileira poderá chegar a 210 millhões de toneladas. No Rio Grande do Sul, a estimativa é de que a colheita chegue a 30,2 milhões de toneladas, a segunda maior da história – com a soja responsável por quase metade desse volume.

– O agropecuária continuará sendo a locomotiva da economia em 2016, salvando a balança comercial e contribuindo para segurar a queda do PIB novamente – completa Rodrigues.

Quando comparado aos demais setores da economia, a agropecuária tem a vantagem de depender menos do mercado doméstico.

– Claro que o agronegócio também é afetado por um crise nacional, mas numa proporção bem menor do que a indústria e os serviços – compara Alexandre Englert Barbosa, superintendente de riscos e economia do Banco Cooperativo Sicredi.

Embora já tenha vivido anos melhores, a produção agropecuária ainda é fortemente beneficiada pela demanda de países asiáticos, como a China, que segue ampliando as importações de alimentos.

– Os mercados voltados à exportação deverão sentir menos. O dólar alto tem ajudado a manter o preço de commodities elevado, representando margens positivas aos produtores – completa o economista.

Quanto aos investimentos, Barbosa estima que será um ano de cautela, pela limitação de financiamentos públicos.


 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.