Voz campeira | Ascribu

Boas perspectivas no ano que começa

14/01/2017 - 07h03min | Atualizada em 14/01/2017 - 07h03min

O ano de 2017 inicia-se com boas perspectivas para a bubalinocultura no Rio Grande do Sul. Os criadores gaúchos estão prestes a firmar parceria para a instalação de centro de manejo de búfalos no Estado e também veem a carne dessa espécie despertar interesse no mercado paulista de processamento de hambúrguer.

As duas iniciativas têm à frente a Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu), que em setembro próximo completará 39 anos. A diretoria empossada no ano passado definiu uma série de ações para a entidade chegar fortalecida aos 40 anos em agosto de 2018. O grande líder incentivador da bubalinocultura no Estado foi o ex-secretário da Agricultura Getúlio Marcantonio.

Já em março próximo, a Ascribu deve promover o primeiro dia de campo do ano, na região das Missões, com o objetivo de troca de informações entre os criadores. No último mês de novembro, mais de 80 criadores, de diversas regiões, reuniram-se em um dia de campo em Alegrete. A ideia da associação é promover pelo menos uma atividade dessa natureza a cada dois meses ao longo do ano.

Estudos publicados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), no Hand Book número 8, Composition of Foods, demonstram que a carne de búfalo, em relação aos bovinos, tem características diferenciadas: 40% menos colesterol; 12 vezes menos gordura; 55% menos calorias; 12% a mais de proteína; e 10% a mais de minerais.

Na alta gastronomia, sabe-se que somente a mozzarela feita exclusivamente com leite de búfala pode usar este nome. No Rio Grande do Sul, a Cooperbúfalo produz a mozzare las feita exclusivamente com leite de búfalas em fazendas localizadas em Tapes e Pantano Grande.

Algumas curiosidades:

— A maioria dos criadores do RS não utiliza o confinamento e o rebanho se alimenta a pasto nativo.

— Os criadores dizem que a carne de búfalo é agroecológica e gostam de usar expressões como como "carne verde" e "boi verde", para referir-se ao búfalo.

— O búfalo é um excelente conversor de alimentos. Se o campo, além de pastagem, tiver capim annoni, por exemplo, ele consome essa invasora, deixando a área limpa.

— Comparativamente, o búfalo, criado junto com bovino, apresenta resultado superior em 20%.

— Atualmente, existem no Estado cerca de 600 criadores de búfalos e um rebanho de 75 mil cabeças.

— No Brasil predominam as raças murrah, mediterrânea e jafarabadi, além da carabao, búfalo de pântano, basicamente na região Norte.

Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu)

Se sua entidade registrada quiser participar da seção, envie sugestão para campo@zerohora.com.br

Leia todas as notícias da série "Voz campeira"

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.