Voz campeira | ABPA

Novas atitudes contra o desperdício de alimentos

Da colheita à casa do consumidor as perdas chegam a 1,3 bilhões de toneladas no mundo, segundo a ONU

20/05/2017 - 08h30min | Atualizada em 20/05/2017 - 08h30min

O que é possível fazer com 15 milhões de toneladas de alimentos? Seria o suficiente para suprir a demanda de 19 milhões de pessoas diariamente. Poderia, também, saciar toda a população da região norte do Brasil, ou de países como Chile e Nova Zelândia. Essa quantidade, no entanto, representa tudo o que é desperdiçado por ano no nosso país. Estamos, infelizmente, entre as 10 nações que mais desperdiçam alimentos no planeta.

A cada dia, 40 mil toneladas de alimentos são jogadas fora por aqui. No mundo, segundo a ONU, cerca de 1,3 bilhões de toneladas têm esse destino — nada menos do que 30% da produção global. Uma perda que ocorre da colheita à casa do consumidor, por diversas razões: danos durante manuseio e transporte, falhas no armazenamento e descarte pela imperfeição visual, entre outras.

Enquanto uma em cada nove pessoas ainda sofre com a fome, um terço da comida que compramos vai para o lixo por estragar ou por não ser reaproveitada. O efeito no bolso da população, muitas vezes, não é percebido: uma compra de R$ 1 mil se traduz em uma perda de R$ 330. As consequências também são sentidas no ambiente. A produção de alimentos não consumidos ocupa uma área que equivale ao tamanho do México — além de utilizar 24% de toda a água empregada no campo. O prejuízo total à economia internacional chega a R$ 3 trilhões.

Leia mais:
América Latina desperdiça até 348.000 toneladas de alimentos por dia (FAO)
Carlos Nabinger: Aumentar a produção sim, mas também parar de desperdiçar  

A manutenção dessa lógica é incabível. Precisamos reduzir drasticamente o desperdício e garantir que todos tenham acesso à alimentação. Estamos falando de um direito universal. Um bom exemplo vem da Dinamarca. Após uma campanha com forte mobilização pelas redes sociais, o país se uniu contra o problema. Com atitudes simples como descontos em alimentos unitários, incentivo ao consumo de sobras e ações de conscientização, foi possível reduzir as perdas em 25% nos últimos cinco anos.

Mas precisamos de muito mais. E o Brasil, por sua posição privilegiada no cenário global, pode capitanear esse processo. Somos o quarto maior exportador na agropecuária, com um performance de destaque na proteína animal, ocupando a liderança em carne de frango e o quarto lugar na suína. Temos condições climáticas favoráveis, altos índices de produtividade e produção sustentável, capaz de atender à demanda interna e o mercado de mais de 150 países.

É hora de, a partir de nossa vocação, também tomarmos a frente na luta contra o desperdício. Governos, empresas, agricultores e consumidores, cada um deve fazer sua parte. Com união e uma nova atitude, será possível vislumbrar um futuro em que haja alimento para todos.

Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA)

Se sua entidade registrada quiser participar da seção, envie sugestão para campo@zerohora.com.br

Leia todos os artigos da série "Voz campeira"

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.