Agricultura

Oscilação de temperatura causa prejuízos nas lavouras do RS

Segundo gerente da Emater, os mais prejudicados foram os grãos, que estão com plantio atrasado

Por: Zero Hora
24/07/2017 - 18h18min | Atualizada em 25/07/2017 - 10h33min
Oscilação de temperatura causa prejuízos nas lavouras do RS Lorenzo Mattioni Viecili/Biotrigo,Divulgação
Geada sobre lavoura de trigo em Passo Fundo Foto: Lorenzo Mattioni Viecili / Biotrigo,Divulgação  

O gerente técnico estadual da Emater, Rogerio Mazzardo, afirmou nesta segunda-feira (24), em entrevista ao programa Gaúcha Repórter, da Rádio Gaúcha, que o cultivo de grãos no Rio Grande do Sul foi prejudicado pela oscilação de temperaturas nos últimos meses. A produção de frutas, no entanto, pode se beneficiar do frio rigoroso registrado na semana passada.

Segundo Mazzardo, 2017 está sendo um ano atípico, em que o cultivo de inverno, devido às condições climáticas, sofreu um atraso no plantio. Esta demora na introdução da cultura causou danos ao desenvolvimento vegetativo das plantas, principalmente ao trigo, que ficaram com aspecto amarelado e se desenvolveram pouco em relação aos anos anteriores.

— Tivemos excesso de precipitação, momentos de escassez também, então estamos iniciando uma safra de inverno atípica — explicou o gerente da Emater. — O excesso de precipitação e insuficiência de umidade que estamos presenciando afetam as lavouras de trigo, aveia branca, cevada, canola e pastagens. 

Leia mais:
Semana no RS será marcada por efeito cebola
Chuva de mais e de menos para o trigo no Rio Grande do Sul
Califórnia: do fast food ao reino da alimentação saudável


Por outro lado, Mazzardo explica que a queda de temperatura da semana passada favoreceu o cultivo de frutas, em especial, a uva. 

— Com o frio, houve a quebra da dormência das frutas. No caso da uva, isso deu um ânimo aos viticultores, porque eles podem começar a fazer o processo de poda, aplicação das podas, controle de pragas. Deu ânimo se compararmos com a questão dos grãos, que veio a preocupar com essa geada da semana passada e com a temperatura de até -4°C — disse.  


Em relação às folhosas — como alface, brócolis e couve —, o prejuízo se deu naquelas que são cultivadas fora da proteção das estufas e estão expostas às intempéries. Contudo, segundo Mazzardo, ainda não é possível estimar o percentual de perda dos alimentos e nem a oscilação dos preços dos produtos depois dos danos causados pela temperatura. 

— Fora de estufa complicou bastante, queimou bastante (as plantas). Ainda não dá para estimar qual é o percentual de estrago (dos alimentos) que isso irá gerar e nem a oscilação de preço, porque é algo recente.

Segundo o gerente, o cenário ideal, a partir de agora, seria um clima com temperaturas mais amenas, em torno de 20°C, além de baixa umidade, que pudessem proporcionar o desenvolvimento das culturas, principalmente a de grãos. 

Expectativa para os próximos dias


Na semana passada, a mínima no Estado chegou -8,82°C em Bom Jardim da Serra, com sensação térmica de -18°C, na manhã de quarta-feira (19). Nesta segunda (24), menos de uma semana depois, os termômetros já marcavam 30°C em Campo Bom e Santa Rosa. Os próximos dias serão marcados por temperaturas mais elevadas em boa parte do Rio Grande do Sul. 

Conforme a meteorologista da Somar Heloisa Pereira, a massa de ar polar que deixou o Estado no fim da semana passada afasta o frio severo, dando espaço para dias com sensações térmicas mais agradáveis. Heloisa destaca que algumas cidades, a exemplo de São José dos Ausentes e Vacaria, ainda vão registrar temperaturas baixas nesta segunda, mas os termômetros não deverão marcar números abaixo dos 10°C nos próximos dias na maior parte do Estado.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.