Saiba o que fazer para reaver o dinheiro perdido no Plano Collor 2

Prazo para entrar na Justiça termina no começo de 2011

27/10/2010 - 02h27min
Os poupadores que tiveram parte dos rendimentos abocanhados pelo Plano Collor 2 devem correr para recuperar os valores devidos. O prazo para entrar na Justiça se encerra no começo de 2011.

No próximo dia 31 de janeiro completam-se 20 anos que o Plano Collor 2 atingiu as cadernetas de poupança. É no início do ano, mas sem consenso de advogados e juízes sobre a data exata, que prescreve o prazo para os poupadores pedirem na Justiça a diferença do valor pago à caderneta.

Em agosto, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que havia expirado o prazo para garantir o dinheiro perdido pelos planos Bresser, Verão e Collor, e também, que as ações coletivas para reaver os valores do Collor 2 também já haviam prescrito. Agora, só são aceitas ações individuais para tentar resgatar os investimentos confiscados pelo Plano Collor 2.

O juiz Pio Giovani Dresch, do Tribunal de Justiça do Estado, e a advogada Tatiana Viola de Queiroz, da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, defendem que o prazo para entrar com o processo é a data de aniversário da poupança em vez da do decreto-lei.

— O direito à ação nasce quando a pessoa tem direito violado, que, no caso da poupança, é quando o valor devido não foi creditado — explica o juiz.

Segundo Tatiana, o ideal é ingressar com o processo antes de 2011, evitando filas e a perda do prazo pela confusão com as datas da poupança. O Plano Collor 2 foi a última das quatro medidas polêmicas do então presidente Fernando Collor para tentar conter a inflação. O Superior Tribunal de Justiça decidiu, em agosto passado, que o índice que deveria ser aplicado na correção da poupança era de 21,87% – na época, a caderneta pagou cerca de 7%. Portanto, os 14% podem ser resgatados judicialmente.

Mas a decisão depende do Supremo Tribunal Federal (STF). Em agosto, o STF acatou liminar pedida por instituição financeira para suspender os julgamentos na Justiça de segunda instância até o próprio Supremo se manifestar sobre o assunto.

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos defende que as instituições financeiras não devem pagar a diferença de 14%, já que os planos econômicos eram medidas que visavam a conter o avanço da inflação. A entidade entende que os bancos não ficaram com o dinheiro, já que o valor aplicado na poupança é direcionado à habitação e aos depósitos compulsórios.

Como fazer para reaver o dinheiro

O investidor que tinha dinheiro aplicado na poupança em janeiro e fevereiro de 1991 e foi atingido pelo Plano Collor 2 precisa se apressar se quiser tentar na Justiça reaver os rendimentos. O prazo para ingressar com ação se encerra no começo de 2011.

Quem pretende encaminhar o processo precisa reunir os documentos de identidade, CPF, comprovante de residência e os extratos da caderneta relativos a janeiro, fevereiro e março de 1991. Em seguida, o investidor deve buscar o Juizado Especial Federal, se a poupança era vinculada à Caixa, e o Juizado Especial Cível, no caso dos outros bancos. Apenas se o valor a ser recebido superar 60 salários mínimos, é preciso ingressar na Justiça comum.

Confira, no mapa abaixo, os endereços de Juizados Especiais em Porto Alegre:
Visualizar Onde estão os Juizados Especiais Cíveis em Porto Alegre em um mapa maior

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.