Frustração

Em meio a críticas, só Brasil confia em sucesso da Rio+20

Enquanto líderes mundiais expressavam pessimismo sobre o documento final da conferência, Dilma cobrou o cumprimento de promessas feitas na ECO-92

21/06/2012 | 05h53
Em meio a críticas, só Brasil confia em sucesso da Rio+20 Victor R. Caivano/AP/AP
As presidentes Dilma Roussef (D) e Cristina Kirchner se abanam durante a foto oficial Foto: Victor R. Caivano/AP / AP
Com mais de 3 mil eventos paralelos e 50 mil participantes, a Rio+20 foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff como a maior conferência sobre meio ambiente já ocorrida até o momento. A dimensão do evento, porém, não foi suficiente até agora para dar respostas em relação ao futuro comum da humanidade.

A ausência de lideranças mundiais como o primeiro-ministro britânico, David Cameron, do presidente americano, Barack Obama, e da chanceler alemã, Angela Merkel, foi notada e pode ser sintoma de algo maior: a falta de resoluções efetivas na Rio+20. Mas as 94 lideranças mundiais presentes articulam-se como podem para, em meio às demandas de seus países, implementar algo prático com relação ao planeta.

O jogo de forças estabelecido nos dias que antecederam o encontro oficial permanece desde ontem, mas agora sob o olhar de quem tem o poder da decisão. Na mesa, temas como a conservação das águas oceânicas, a criação de um organismo internacional de controle do desenvolvimento sustentável e a implantação dos objetivos do milênio, dividem opiniões dos países de acordo com as prioridades políticas de cada um.

Um jogo de pressões que piora ante à hesitação do anfitrião. A falta de pulso por parte do governo brasileiro permitiu que os negociadores aprovassem um texto final com poucas mudanças. Um discurso vazio, segundo a maioria. Reforçando as críticas, o presidente da França, François Hollande, disse ter ficado decepcionado com o resultado das negociações:

— Ainda estão aquém das responsabilidades e expectativas — afirmou.

Enviado dos Estados Unidos para assuntos de Mudanças Climáticas, Jonathan Pershing acredita que faltam instrumentos reguladores que obriguem os países a colocar em prática as políticas. O americano não defende, porém, a criação de uma agência internacional para regular o tema da sustentabilidade.

— O que todo mundo quer é ver um processo mundial que tramite pelos diversos campos e traga o assunto para a prática — explicou Pershing.

E não falta interesse. Entre os 38.442 credenciados que circulam pelos arredores do Riocentro, 9.796 representam delegações, 6.877 se dividem entre ONGs e entidades e 3.351 são jornalistas.

Se por um lado os números representam a repercussão mundial dos debates, por outro sinalizam a responsabilidade dos chefes de Estado e das decisões que serão tomadas até amanhã.

Definiu bem o espírito do Rio+20 o Secretário de Meio Ambiente do Rio, Carlos Minc, ao falar que o fator local vai influenciar os chefes de Estado:

— Se a Opep não quer aumentar subsídios, eles saem de pauta. Canadá e Japão não têm interesse em proteger os mares, o tema cai. Vaticano diz que não se pode mudar a saúde reprodutiva da mulher, a questão fica de fora. Então a gente anda pelo passo mais atrasado.

A liderança que o Brasil poderia ter desempenhado, para mobilizar decisões mais concretas, foi desperdiçada ao flexibilizar as negociações. Até o último momento, porém, os países podem mudar seus posicionamentos.

Minc lembra que, em 2005, quando era ministro do Meio Ambiente, o então presidente Lula mudou de posição sobre os recursos investidos no último dia.

PAUTAS EM DISPUTA

Quem ganhou e quem perdeu nas discussões

Direitos reprodutivos fora do texto

A expressão “direitos reprodutivos” que constava no texto final foi retirada por pressão do Vaticano, que a relacionava à descriminalização do aborto. O Vaticano tem status de observador na ONU. Segundo feministas e organizações não-governamentais, o termo foi retirado por pressão de países muito religiosos e usado como moeda de troca na barganha por outros aspectos do texto. A nova redação fala apenas em “saúde reprodutiva”, que faz menção ao direito de acesso a métodos de planejamento familiar.

Preservação de oceanos postergada

No tema dos oceanos, o Brasil teve sua maior derrota. O país defendia, junto com a Europa, a criação de um mecanismo legal que protegesse os oceanos em áreas de alto-mar e regulamentasse a exploração da biodiversidade em regiões fora das jurisdições nacionais. A proposta enfrentou resistência, sobretudo do Canadá e Japão, países com interesses comerciais relacionados à exploração de recursos pesqueiros. O assunto deve ser abordado em uma próxima conferência climática.

Discussão sobre Programa não está encerrada

Um dos pontos-chaves sobre o texto final aprovado pelos negociadores, a recomendação para o fortalecimento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) continua indefinida. Como há indicações para que, no futuro, será criado um órgão independente, o assunto deve ser retomado e a criação de um organismo internacional ainda pode se tornar realidade. A delegação brasileira e as nações africanas defendiam a criação imediata de um órgão autônomo incorporando o Pnuma.

Responsabilidades separadas

Quando o assunto é quem irá pagar a conta, o tema é controverso. As medidas adotadas devem ser financiadas, porém é cada vez mais escasso o dinheiro. O texto aprovado na Rio+20 concorda em abrir as portas ao capital privado. Embora tenha terminado em consenso pelo princípio da responsabilidade separada, os mais ricos não ficaram satisfeitos: alguns países do Hemisfério Norte, como os EUA, demonstraram interesse para que os incentivos ao desenvolvimento sustentável viessem de ambos os hemisférios.
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.