Campo & Lavoura

Arrozeiros e suinocultores protestam contra crise nos setores

Excedentes de produção e dívidas acumuladas vêm prejudicando produtores gaúchos

10/07/2012 | 18h10
Arrozeiros e suinocultores protestam contra crise nos setores Luís Paulo Soares/Agência RBS
Utilizando dois caminhões, o grupo de aproximadamente 500 pessoas bloqueou parte da ERS-344 Foto: Luís Paulo Soares / Agência RBS
Em dois protestos distintos, produtores de arroz e criadores de suínos expuseram as mazelas dos dois setores nesta sexta-feira. Em Santa Rosa, protesto contra o preço baixo pago pela carne. Já em Dom Pedrito e outras cidades produtoras, arrozeiros entregaram nos bancos pedidos de prorrogação de dívidas para o final de outubro.

Presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Renato Rocha explica que o problema consiste nas constantes crises do setor. Nos últimos 22 anos, a produção deu prejuízo em 15. Além dos problemas climáticos, os preços são baixos e os custos de produção altos. 

- O volume produzido no país é capaz de abastecer o mercado interno. Mas a Argentina aumentou 90% a produção dela, o Uruguai aumentou 50% e o Paraguai aumentou 300%, nos últimos sete anos. E o custo de produção deles é infinitamente menor. Com isso, vendem arroz para cá por um preço menor - explica Rocha.

O refinanciamento de R$ 3 bilhões gastos no cultivo da última safra também foi pedido ao Ministério da Agricultura. A medida, aliada à prorrogação dos prazos de financiamentos que vencem agora, faria com que produtores quitassem compromissos mais urgentes, evitando a exclusão dos cadastros de crédito rural. 

- O setor amargou redução de 13 mil para 9 mil contratos de financiamento para arroz. Os produtores recorrem a financiamentos de indústria e programas de troca-troca, com juro mais alto, o que só aumenta a crise - aponta Rocha.

Suinocultores querem que governo federal compre 10 mil toneladas de carne

O problema dos suinocultores é semelhante. A venda da carne ocorre em menor quantidade devido ao embargo russo e o problema recente com a Argentina, que restringiu a compra do produto brasileiro durante três meses.

O custo de produção foi elevado devido à alta nas rações, em função do preço do milho e do farelo de soja – produtos base e que estão mais escassos por causa da estiagem.

- Precisamos que aumentem os limites de empréstimo, nos dêem prazos maiores para pagamento de dívidas e que o governo compre cerca de 10 mil toneladas da produção para distribuir através de programas sociais - afirma Valdecir Folador, presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul.

Utilizando dois caminhões, o grupo, de aproximadamente 500 pessoas, bloqueou parte da ERS-344, no chamado Trevo do Porquinho, em Santa Rosa. O trânsito foi desviado pelas laterais da pista e segundo a Polícia Rodoviária Estadual não houve engarrafamento.

O que diz o Ministério da Agricultura

Com relação aos arrozeiros, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está avaliando a questão. Já em relação à suinocultura, o ministro da Agricultura Mendes Ribeiro Filho se reuniu com a bancada ruralista do Congresso nesta terça-feira, para discutir medidas de apoio. A proposta do Governo Federal será apresentada na quinta-feira, durante audiência pública na Comissão de Agricultura do Senado. Entre as medidas está, a prorrogação de dívidas e a criação de uma linha especial de crédito.
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.