Segurança virtual

FBI desliga servidores que mantinham computadores no ar

Máquinas infectadas por vírus DNSChanger não estão mais acessando a internet

09/07/2012 | 18h02

O impacto da infecção cibernética que poderia tirar milhares de computadores da internet a partir desta segunda-feira foi mínimo, depois de uma extensa campanha para que os usuários eliminassem o vírus de suas máquinas. A última estimativa é de que mais de 200 mil computadores estejam contaminados no mundo, cerca de 4 mil deles no Brasil.

O vírus foi criado por um grupo de criminosos da Estônia e alterava configurações nos computadores para que direcionassem os internautas às páginas que interessavam ao grupo. A rede foi desmontada em novembro do ano passado, mas se os servidores controlados pela organização fossem desligados, todos os infectados perderiam o acesso à internet.

Por isso, o FBI, a polícia federal norte-americana, ganhou na justiça o direito de controlar esses servidores até que o maior número possível de computadores fosse limpo. O prazo terminou nesta segunda-feira e os computadores que comandavam a rede foram desligados.

Havia um temor de colapso de alguns serviços, mas a campanha feita por FBI, Google e Facebook, além dos provedores de acesso, para alertar usuários de computadores infectados conseguiu diminuir muito o número de máquinas atingidas e o primeiro dia de desligamento dos servidores está sendo considerado tranquilo pelos provedores dos Estados Unidos, país com o maior número de máquinas atingidas. Para eliminar o vírus, é necessário instalar e rodar um antivírus atualizado.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.