Dívidas na cabeça

Inadimplência do consumidor cresce 19% no 1º semestre

A renda do consumidor está comprometida principalmente com dívidas caras, como cheque especial e rotativo do cartão de crédito

11/07/2012 | 10h20

A inadimplência do consumidor terminou o primeiro semestre com alta de 19,1% na comparação com os primeiros seis meses do ano passado, informou nesta quarta-feira a Serasa Experian.

Em junho, o Indicador de Inadimplência do Consumidor subiu 15,4% em relação ao mesmo mês de 2011. Houve queda, de 0,5%, apenas sobre o índice de maio. De acordo com a empresa, a renda do consumidor está comprometida principalmente com dívidas caras, como cheque especial e rotativo do cartão de crédito, e de altos valores, como financiamento de veículos e imóveis.

Em média, cada inadimplente carrega quatro dívidas não honradas e 60% têm compromissos acima de 100% da sua renda. As principais responsáveis pela evolução da inadimplência foram as dívidas não bancárias e as feitas com bancos, que cresceram 21,6% e 22,1%, respectivamente, na comparação entre os primeiros semestres de 2011 e 2012. Juntas, responderam por 89% da alta verificada no período. Protestos e cheques sem fundos apresentaram, respectivamente, variação de 6,3% e -5,9% nos seis primeiros meses de 2012.

O valor médio das dívidas com os bancos recuou 1%, para R$ 1.294,59, enquanto as dívidas não bancárias aumentaram 16,3% no primeiro semestre deste ano ante o mesmo período de 2011, atingindo R$ 357,68. As dívidas com cheques sem fundos subiram 11,8%, para R$ 1.468,90, e o valor médio dos títulos protestados teve alta de 6,3%, para R$ 1.412,21.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.