Pampa do Silício

O mapa das startups de Porto Alegre: a Capital tem vocação para inovar?

O bairrismo e o conservadorismo do mercado ainda atrasam a multiplicação de negócios inovadores

12/10/2013 - 14h01min
O mapa das startups de Porto Alegre: a Capital tem vocação para inovar? Diego Vara/Agencia RBS
Empreendedores de pelo menos 42 empresas fazem parte do time da inovação da capital gaúcha Foto: Diego Vara / Agencia RBS  

Desde que um bando de malucos começou a transformar ideias em milhões de dólares no Vale do Silício, nos anos 1980, outras regiões do planeta tentam copiar a fórmula. No Brasil, já existem aglomerados de empresas identificadas por apelidos curiosos como Sururu Valley, em Alagoas, Praça do Silício, em São Paulo, e San Pedro Valley, em Minas Gerais. Porto Alegre também quer se firmar como um polo de startups no país. Vocação, a capital gaúcha tem, garantem empreendedores e integrantes da rede de apoio: aqui há profissionais de qualificação técnica e universidades de ponta. O desafio é aproximar a universidade do mercado e transformar conhecimento em negócios.

Leia também:

Arquiteta voltou à universidade para criar empresa

Capital gaúcha está bem atrás de outras cidades brasileiras que se empenham em criar versões locais do Vale do Silício

Como nem todo empresário acredita apenas no potencial de uma ideia, a participação do governo para estimular iniciativas inovadoras tem papel fundamental. Foi a partir de um edital da Agência Brasileira de Inovação (Finep), por exemplo, que nasceu a GetWay Tecnologia. A startup gaúcha que atua com big data (armazenamento e interpretação de grandes volumes de informação) é referência no mercado. Entre as conquistas, está o prêmio de empresa mais inovadora da América Latina, em concurso promovido pela IBM no ano passado.

Clique aqui e confira o mapa das startups de Porto Alegre

Criada em 2009, a startup tem trajetória parecida com a de outras tantas iniciantes. Passou os primeiros anos apostando no desenvolvimento do produto antes de conseguir encontrar um investidor de peso para se dedicar à área comercial. Hoje, porém, já tem na carteira clientes como a Kimberly-Clark.

— Ganhamos outra dimensão quando encontramos investidores de porte. Ajudou a dar credibilidade à empresa e a conquistar clientes. Mas foi bem complicado. Via de regra, os empresários querem apostar em negócios que tenham real potencial de faturamento, e uma startup é, em essência, uma hipótese de negócio — conta Guilherme Masseroni, fundador da empresa.

Calcular quantas startups existem hoje no Brasil é missão difícil. Nem a Associação Brasileira de Startups arrisca um palpite. Alguns meses atrás, a estimativa era de que ao menos 10 mil estavam em funcionamento, a maioria no Sudeste. Mas como as empresas nascem e morrem a todo instante, levantamentos ficam desatualizados rapidamente. Essa característica dificulta até uma comparação entre cidades. Em Porto Alegre, não é diferente. Zero Hora identificou ao menos 42 startups ativas. Esse número, no entanto, pode ser maior. Fora da Capital, há ainda outros polos, como o Tecnosinos, em São Leopoldo.

Com o avanço do número de startups, cresce a importância das aceleradoras, instituições com papel até então pouco conhecido no país. Enquanto as incubadoras — que geralmente funcionam dentro de universidades — investem mais em desenvolvimento de produtos, as aceleradoras — em sua maioria privadas e independentes — apostam em transformar ideias em negócio. Uma delas é a Wow, que reúne três startups e pelo menos 48 investidores anjos (confira o ecossistema das startups na página 6).

—Não basta desenvolver o produto, tem de tornar viável o negócio. Nem tudo precisa de pesquisa para virar um bom negócio e nem todo produto com pesquisa consegue ser rentável — afirma o diretor Bruno Peroni.

Entre os especialistas no setor, há consenso de que a capital gaúcha tem vocação para inovar, mas o típico bairrismo gaúcho, motivo de orgulho para tantos, é prejudicial.

— Em outros Estados, a busca por parceiros de fora é mais espontânea. Aqui ocorre, mas em menor escala — diagnostica Diego Remus, sócio da Startupi, empresa com sede em São Paulo, que desde 2008 atua promovendo a interação entre projetos inovadores e investidores potenciais.

Outro entrave é o tradicional conservadorismo gaúcho. Não apenas dos investidores, mas também dos clientes.

— Às vezes, mesmo uma boa ideia pode não emplacar. Se o mercado não conseguir assimilar a proposta, o negócio falha. Já vi projetos bons que não funcionaram em Porto Alegre dar certo em outros lugares.

É a causa da maioria das mortes de empresas — explica Remus.

 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.