Acima da média nacional

Preço do imóvel sobe 12,3% de janeiro a outubro em Porto Alegre

Alta em 2013 superou os principais índices de inflação

05/11/2013 | 09h18
Preço do imóvel sobe 12,3% de janeiro a outubro em Porto Alegre Pena Filho/Agencia RBS
Pesquisa foi feita em anúncios publicados em 16 cidades brasileiras Foto: Pena Filho / Agencia RBS

De janeiro a outubro o preço do imóvel em Porto Alegre subiu 12,3%. O dado da capital gaúcha faz parte da pesquisa FipeZap, feita em 16 cidades brasileiras. Na média nacional, a alta no mesmo período foi de 11,3%. A base de dados é formada pelos apartamentos anunciados na internet. A alta de preço dos imóveis em 2013 ganhou dos principais índices de inflação em igual intervalo de tempo, de 4,4% projetada para o IPCA de janeiro a outubro, e de 4,58% pelo IGP-M. O aumento do preço do metro quadrado superou também o rendimento das aplicações financeiras mais comuns.

De janeiro a outubro, o rendimento bruto do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) foi de 6,46%, sem descontar o imposto. O dólar valorizou-se 9,1% em relação ao real e a poupança teve rendimento líquido de 4,69%. Os papéis negociados na Bolsa caíram, em média, 11,35% no período. Fábio Colombo, administrador de investimentos, diz que essa valorização no preço do metro quadrado, comparada à de outros investimentos, deve ser ponderada.

– Os imóveis vêm tendo grande recuperação há algum tempo, mas no último ano e meio tem ocorrido uma desaceleração.

Segundo o administrador, em regiões do país com menor liquidez, isto é, onde os negócios demoram mais para serem fechados, os preços efetivos são menores. Isso significa que a pesquisa reflete os preços pedidos do metro quadrado pelo vendedor. Além de Porto Alegre, outros 14 locais acumularam alta superior à inflação, com destaque para Curitiba (33,2%), seguida por Florianópolis (13,1%),Vitória (12,7%), Rio de Janeiro (12,5%) e São Paulo (11,2%). Somente o Distrito Federal teve aumento inferior ao da inflação do período.

Eduardo Zylberstajn, coordenador do índice FipeZap, diz que a alta de preços reflete ainda o bom momento do emprego e da renda no mercado de trabalho, associado à maior oferta de crédito imobiliário. Apesar do avanço dos preços, o economista explica que a aceleração já foi bem maior. Em 2011, o preço do metro quadrado em sete capitais subiu 26,3%; no ano passado, 12,4% e neste ano até outubro, 10,3%.

VEJA TAMBÉM

     
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.